Fundamentos sobre a Fertilidade – Reprodução Humana

Fertilidade - Reprodução Humana

A reprodução natural humana é um processo tão complexo e espetacular que parece miraculoso que a gravidez ocorra tão frequentemente como ocorre. As três principais fases da reprodução humana, como explicitadas abaixo, são: Ovulação, Fertilização e Implantação. 

 

 

O DNA é uma molécula comprida e espiralada, que se localiza no núcleo celular, nele está “escrita” toda a informação necessária para que a célula execute bem sua função, assim como um programa de computador. Se a célula é o computador, o DNA é o disco rígido de informações que dará a instrução para que ela funcione como um computador conectado numa rede muito maior; se a célula é do músculo, a instrução é para que ela funcione como uma célula muscular.
A molécula de DNA se assemelha a uma escada espiralada: há um corrimão de cada lado e degraus ligando esses corrimãos. Os degraus são a parte variável do DNA, representados pelas letras A, T, G e C – que são os compostos orgânicos adenina, timina, citosina e guanina, respectivamente. Estas substâncias estão em uma sequência que somente a célula consegue ler e cada uma recebe o nome de gene. Para que a leitura seja feita corretamente, a célula envia uma cópia do gene para fora do núcleo sob a forma de RNA.
No citoplasma existem elementos (os ribossomos) capazes de fazer a leitura do RNA e quando isto acontece dizemos que o gene está se expressando, pois o gene expressa sua informação por meio do RNA. Vários genes podem ser lidos ao mesmo tempo. A partir do conjunto de informações que essa leitura fornece, formam-se várias características, como cor do cabelo, forma do rosto, tamanho do corpo, cor dos olhos, propensão à certas doenças e muito mais. Estas características recebem o nome de fenótipo.
Por causa do seu grande comprimento, o DNA precisa se enrolar até ficar bem “apertado” para caber na célula, formando uma estrutura chamada cromossomo. Cada espécie de ser vivo possui um número de cromossomos, e o ser humano possui 46. Metade dos cromossomos, 23, vem da mãe e a outra metade é fornecida pelo pai. E é aí que entra a maravilha da reprodução humana: a mistura de dois seres formando um terceiro diferente.
Nos órgãos reprodutivos femininos (ovários) e masculinos (testículo) existem células especializadas em gerar gametas (células que possuem 23 cromossomos, ou seja, apenas metade dos 46) chamadas de óvulo e espermatozóide. A meiose é o processo pelo qual uma célula com 46 cromossomos produz outras com 23 cromossomos.
Quando óvulo e espermatozóide se unem dentro do útero forma-se o zigoto (com 46 cromossomos), que é a nossa primeira célula. O ser humano unicelular. Assim que gerado, o zigoto começa a se multiplicar, produzindo outras células idênticas. Para que uma célula produza duas, ela deve, em primeiro lugar, duplicar todas as estruturas existentes em seu interior, inclusive o DNA. Replicação é o nome do processo no qual o DNA se autoduplica, e, com a mitose ocorre a duplicação da célula inteira.
Depois de todo esse processo as células começam a formar diferentes tipos de órgãos: pele, nervos, músculo, ossos, intestino, rim, etc. Quando o organismo está completo, após se desenvolver e crescer de tamanho, chega o momento do nascimento.
 

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).