Esterilização masculina e feminina (laqueadura/vasectomia)

Laqueadura/Vasectomia/Contracepção

A esterilização funciona evitando o encontro do óvulo e do espermatozoide. Na esterilização feminina (oclusão tubária/laqueadura) isto é feito por corte, selagem ou bloqueio das trompas de falópio que carregam um óvulo do ovário para o útero (ventre). Na esterilização masculina (vasectomia), isso é feito por corte e selagem ou amarrando o canal deferente (o tubo que transporta o esperma dos testículos para o pênis). Isso é chamado de vasectomia.

Esterilização é um método permanente de contracepção, apropriado para pessoas que tem certeza absoluta de que nunca mais vão querer crianças ou que não querem mais filhos. Você pode querer saber mais sobre contracepção reversível (Long-acting reversible contraceptives – LARC) que é tão eficaz quanto a esterilização, mas reversível. Pergunte a seu médico ou enfermeiro para mais informações sobre LARC.

 

A esterilização é eficaz?

  • Esterilização masculina (vasectomia)
    • Cerca de uma em cada 2.000 esterilizações masculinas falharam.
  • Esterilização feminina (oclusão tubária)
    • A taxa de falha total é de cerca de 1 em 200.
    • A pesquisa sugere que, quando a esterilização é feita usando um tipo de grampo, conhecido como o Filshie clip, a taxa de falha é 2-3 em cada 1000, em 10 anos.
    • A evidência disponível sugere que a taxa de falha do Essure  é de cerca de 1 em cada 500, por mais de cinco anos.
    • Há um risco de que a esterilização não vai funcionar.
    • Os tubos que transportam o esperma nos homens e os óvulos em mulheres podem recuperar-se após a esterilização. Isso pode acontecer imediatamente ou alguns anos depois que a operação foi realizada.

 

Quais são as vantagens da esterilização?

Depois da esterilização ter sido feita… você não tem de usar outros métodos anticoncepcionais nunca mais.

Quais são as desvantagens da esterilização?

  • Os tubos podem reanastomosar (voltar) e você pode se tornar fértil novamente, mas isto não é comum.
  • A esterilização não pode ser facilmente revertida.
  • A esterilização não protege você contra doenças sexualmente transmissíveis.
  • Demora entre quatro semanas até pelo menos três meses para a esterilização ser eficaz, dependendo do método usado.

Qualquer um pode ser esterilizado?

Esterilização é para pessoas que tem a certeza de que elas não querem mais filhos ou filhas. Você não deve decidir esterilizar se você ou seu parceiro não estiver completamente certo ou se você está sob algum estresse, por exemplo, após um parto, aborto, crise na família ou no relacionamento. É uma decisão muito mais definitiva do que esses problemas temporários.

Pesquisas mostram que mais mulheres e homens se arrependem da esterilização se eles foram esterilizados quando estavam abaixo dos 30 anos, não tiveram filhos ou não estavam em um relacionamento. Por causa disto, pessoas jovens ou solteiras devem receber aconselhamento extra.

Onde posso ir para receber aconselhamento sobre a esterilização?

Você pode ir ao seu clínico geral, ginecologista, ou urologista. 

LEIA TAMBÉM:  5 Maneiras de Aumentar Suas Chances de Ficar Grávida

Que informação devo receber antes de decidir ser esterilizada?

Você deve obter todas as informações e aconselhamento se você quer ser esterilizada. Isso lhe dá uma chance de falar sobre a operação em detalhes e quaisquer preocupações que você possa ter. Você deve saber sobre:

  • Outra contracepção reversível altamente eficaz de ação prolongada (LARC)
  • As taxas de fracasso da esterilização, de quaisquer possíveis complicações e dificuldades de reversão
  • A necessidade de usar contracepção até a esterilização foi confirmada como um sucesso.
  • Você terá que assinar um termo de consentimento.

Preciso de permissão do meu parceiro?

Pela lei você não precisa de permissão do seu parceiro, mas alguns médicos preferem que ambos os parceiros concordem com uma esterilização após informação e aconselhamento.

A esterilização pode ser revertida?

A esterilização destina-se a ser permanente. Existem cirurgias de reversão (reversão da vasectomia e reanastomose tubária), mas elas não são sempre bem sucedidas. O sucesso vai depender de como e quando você foi esterilizada.  A esterilização histeroscópica (Essure) não pode ser revertida.

A esterilização afeta seu desejo sexual?

A esterilização não afeta seus hormônios. Portanto, seu desejo sexual e o prazer do sexo não devem ser afetados.

A esterilização masculina (vasectomia)

Como é feita a vasectomia?

Você receberá uma anestesia local. Para atingir os tubos, o médico fará uma pequena punção, conhecida como método sem-bisturi, ou um pequeno corte na pele do escroto. O médico então vai cortar os tubos e fechar as pontas amarrando-as ou selando-as com calor. Às vezes, um pequeno pedaço dos tubos é removido quando é cortado. A abertura em seu escroto será muito pequena e talvez nem precise de quaisquer pontos. Se o fizer, serão usadas suturas dissolvíveis ou fita cirúrgica. A operação leva cerca de 10 a 15 minutos e pode ser feita em hospital-dia, hospital ou sala de procedimento ambulatorial.

Como me sentirei depois da operação?

Seu escroto pode ficar inchado e dolorido. Tomar medicamentos para o alívio da dor e vestir cuecas apertadas ou de suporte atlético, para sustentar seu escroto, dia e noite durante os primeiros dias vai ajudar a reduzir qualquer desconforto. O médico ou o enfermeiro deve lhe dar informações sobre como cuidar de si mesmo nas semanas que seguem a sua vasectomia.

Há sérios riscos ou complicações?

A pesquisa mostra que não há nenhum risco de saúde grave conhecido a longo prazo causado por fazer uma vasectomia.

Ocasionalmente, alguns homens têm uma infecção, um grande inchaço ou sangramento. Neste caso, consulte o seu urologista assim que possível. Às vezes o esperma pode vazar para fora do tubo e se acumular no tecido circundante. Isso pode causar inflamação  e dor imediatamente, ou algumas semanas ou meses mais tarde. Se isso acontecer, pode ser tratado.

Um pequeno número de homens experimentam dor contínua em seus testículos, escroto, pênis ou abdômen inferior. Isso é conhecido como dor crônica pós-vasectomia ou CPVP. Tratamentos medicamentosos podem ser eficazes em aliviar a dor e alguns homens a mais requerem cirurgia. Alívio permanente nem sempre é alcançado.

LEIA TAMBÉM:  O Processo de Fertilização In Vitro: Um Passo de Cada Vez

A maioria dos homens ao fazer vasectomia será com anestésico local, muito raramente anestesia geral é necessária. Todas as operações usando anestesia geral apresentam alguns riscos, mas problemas graves são raros.

Quando a vasectomia será eficaz?

Em cerca de 12 semanas após a operação, você deverá fazer um exame de sêmen para ver se os espermatozoides desapareceram.

Às vezes mais de um teste é necessário. Você pode fazer sexo entre dois e sete dias após a operação, mas você só pode confiar na esterilização masculina para contracepção depois que falarem que o exame de sêmen deu negativo, ou seja, precisa continuar fazendo a prevenção com outros métodos.

Após a operação, você precisa usar contracepção alternativa até não sobrar nenhum esperma nos tubos. O tempo que demora para o limpar os tubos de esperma varia de homem para homem.

Esterilização feminina (oclusão tubária)

Como é feita a esterilização feminina?

Existem várias maneiras de bloquear as trompas de Falópio: amarrar, cortar e remover um pequeno pedaço de tubo, por selagem, ou aplicação de grampos ou anéis. Há duas maneiras principais de se chegar às trompas de Falópio – por laparoscopia ou por mini laparotomia.

O tempo que precisa ficar no hospital depois da esterilização depende da anestesia e do método utilizado. Poderá ser feito anestesia geral, local ou regional.

Para uma laparoscopia, um médico irá fazer um pequeno corte e inserir um laparoscópio, que permite ao médico ver claramente seus órgãos reprodutivos. O médico irá selar ou bloquear suas trompas de Falópio, normalmente com clipes ou ocasionalmente com anéis.

Para uma mini laparotomia, um médico vai fazer um pequeno corte no abdome, geralmente logo abaixo da linha do biquíni, para alcançar suas trompas de Falópio. Fará anestesia geral e passará uns dias no hospital.

Como me sentirei depois da operação?

Se você passou por anestesia geral, pode se sentir um pouco desconfortável e mal estar por alguns dias.

Isto não é incomum, e pode ter que se afastar por alguns dias. Pode também ter um ligeiro sangramento vaginal e dor. Se isso piorar, consulte seu médico. O médico deve dizer qual método de esterilização foi usado, se houver alguma complicação e como cuidar de si mesma nas semanas que seguem a sua esterilização.

O que é Essure?

Essure é um método de esterilização feminina que não envolve nenhum corte. É conhecido como esterilização histeroscópica.

Um histeroscópio é inserido na vagina e no colo do útero para permitir que uma bobina pequena de titânio (metal) seja colocada em ambas as trompas de Falópio. O tecido do corpo cresce em torno da bobina e bloqueia a tuba uterina. Geralmente não requer anestesia e leva cerca de 10 minutos. A maioria das mulheres é capaz de retornar às suas atividades normais no dia seguinte. Este método não é reversível. Depois de três meses você vai precisar de um raio-x ou ultra-som para verificar que as trompas de Falópio estão bloqueadas.

LEIA TAMBÉM:  A Contracepção com Base na Percepção da Fertilidade é a Ideal para Você?

A esterilização afetará minha menstruação?

Seus ovários, útero e colo do útero são deixados no lugar e seus hormônios não são afetados, portanto você ainda vai ovular (liberar um óvulo a cada mês), mas ele será absorvido naturalmente pelo seu corpo.

Sua menstruação vai continuar a ser tão regular quanto estava antes da esterilização. Ocasionalmente, algumas mulheres acham que suas menstruações se tornam mais pesadas.

Isto é geralmente porque elas pararam de usar contracepção hormonal, o que pode ter amenizado suas menstruações anteriormente.

Há sérios riscos ou complicações?

Se houver falha da esterilização feminina e você engravidar, há um pequeno aumento do risco de gravidez ectópica. Uma gravidez ectópica desenvolve-se fora de seu útero, geralmente no tubo de Falópio.

Você deve procurar conselho médico imediatamente se achar que pode estar grávida ou se tiver menstruação leve ou atrasada, sangramento vaginal incomum ou se tiver dor súbita ou incomum em seu abdômen inferior.

Todas as operações implicam em algum risco, mas o risco de complicações sérias é baixo.

Quando a esterilização feminina é eficaz?

Você vai precisar usar contracepção até sua operação e pelo menos sete dias depois.

Após a esterilização histeroscópica você precisará usar contracepção durante pelo menos três meses. 

Onde posso obter mais informações e conselhos?

O ginecologista é o médico especialista no assunto. Marque sua consulta.

 

Contracepção de emergência

Se você teve relações sexuais sem contracepção, ou pensa que o seu método pode ter falhado, existem diferentes tipos de contracepção de emergência que você pode usar.

Uma pílula contraceptiva de emergência contendo levonorgestrel – pode ser tomada até três dias (72 horas) depois do sexo. Quanto mais cedo é tomada depois do sexo, mais eficaz. Disponível com uma prescrição ou você pode comprar de uma farmácia. Existem marcas diferentes, mas todas elas funcionam da mesma maneira.

O DIU – pode ser colocado cinco dias após o sexo, ou até cinco dias após a primeira vez que você poderia ter liberado um óvulo (ovulação). Pergunte a seu médico sobre a obtenção de pílulas de emergência com antecedência, no caso de você precisar delas.

Infecções sexualmente transmissíveis

A maioria dos métodos de contracepção não protegem de infecções sexualmente transmissíveis.

Preservativos masculinos e femininos, quando usados corretamente e consistentemente podem ajudar a proteger contra infecções sexualmente transmissíveis. Se possível, evite o uso de preservativos lubrificados com espermicidas. O espermicida comumente contém uma substância química chamada Nonoxinol 9, que não protege contra HIV e pode até aumentar o risco de infecção.

 

nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).