Quais são os tipos de tratamento de fertilidade?

Muitos casais têm dificuldade para engravidar por diferentes motivos, como endometriose, problemas na ovulação, na formação ou no transporte de espermatozoides. Quando essa dificuldade continua, depois de um ano de tentativas sem o uso de contraceptivos e com uma atividade sexual regular, o casal é considerado infértil.

Nesse caso, o ideal é procurar um especialista para que se descubra qual é o problema e indique o tratamento mais adequado para o casal. Isso é importante, porque existe mais de uma opção para tratar a infertilidade.

Se você está tendo dificuldades para engravidar sabe que as diversas alternativas podem até confundir a cabeça do casal. Pensando nisso, a seguir, vamos listar os principais tipos de tratamento de fertilidade para que você conheça suas opções e saiba como elas funcionam!

Principais tipos de tratamento de fertilidade

1. Relação sexual programada

Esse tratamento é um dos mais simples, porque a fecundação do óvulo acontece de forma natural, mas ele é bastante indicado por sua eficácia. Também conhecido como coito programado, essa opção funciona da seguinte maneira: o casal e o médico acompanham a ovulação da mulher para descobrir qual é o período fértil dela.

Assim, é possível definir o período em que o casal deve manter relações sexuais para conseguir engravidar. O coito programado pode ser realizado somente com o acompanhamento da ovulação ou também com a estimulação ovariana realizada por meio de medicamentos. 

Geralmente, é feito o estímulo dos ovários também para aumentar as chances de o tratamento ser bem-sucedido.

O método da relação sexual programada é bastante indicado para casais em que a mulher tem um ciclo menstrual desregulado, pois esse fator faz com que seja mais difícil para os espermatozoides encontrarem o óvulo.

2. Fertilização in vitro (FIV)

A fertilização in vitro é um tratamento mais complexo, porque a fecundação acontece em um laboratório e não no corpo da mulher. Mas, ela é uma ótima opção para diversos casos, como nos de endometriose, idade avançada da mulher, obstrução tubária e baixa produção de espermas.

Nesse tipo de tratamento, primeiro é realizado o estímulo da ovulação com o auxílio de medicamentos para que haja um número maior de óvulos para serem fecundados. Em seguida, esses óvulos são removidos por aspiração. Depois, o sêmen do parceiro ou doador também é coletado.

A etapa da fertilização pode ser feita de duas maneiras: em um meio de cultura, onde os espermatozoides e o óvulo são inseridos para que a fecundação aconteça naturalmente, ou com uma injeção intracitoplasmática do espermatozoide (ICSI). Nesse caso, é selecionado o melhor espermatozoide e ele é injetado no óvulo.

Após a fecundação, os embriões são observados por uns dias e então são colocados no útero. Para saber se o processo funcionou, é preciso fazer um exame de sangue.

3. Super ICSI

Esse método é bem parecido com a injeção intracitoplasmática do espermatozoide tradicional, mas ele utiliza uma tecnologia mais avançada para aumentar as chances de sucesso no procedimento.

O super ICSI usa um sistema de resolução óptica muito tecnológico para melhorar a análise do gameta e, assim, permitir que o especialista responsável escolha realmente o melhor espermatozoide disponível para a fertilização in vitro.

Esse tipo de tratamento é indicado principalmente em casos de infertilidade masculina grave, de dificuldade na implantação do embrião no útero e quando a mulher já sofreu 3 ou mais abortos.

4. Inseminação intrauterina (artificial)

Na inseminação intrauterina, que também é conhecida como artificial, espermatozoides são injetados no útero da mulher para que encontrem o óvulo e realizem a fecundação de forma natural.

Esse tratamento não é tão complexo e apresenta um custo mais baixo que outras opções, como a fertilização in vitro e o super ICSI. Para realizá-lo, primeiro a mulher precisa passar pelo estímulo dos ovários.

Depois, o sêmen do homem é coletado e são escolhidos os espermatozoides que apresentam a melhor movimentação. Por último, eles são injetados no útero para que possam fazer a fecundação no corpo da mulher.

A inseminação intrauterina é indicada especialmente nos casos em que o homem tem alterações leves na produção dos espermas e em que a mulher apresenta dificuldades para engravidar, mas não há um motivo determinado.

5. Indução da ovulação

Outra opção de tratamento de fertilidade é a indução da ovulação, em que a produção de óvulos é estimulada no período fértil da mulher. Dessa forma, aumentam-se as chances dela engravidar.

O estímulo da produção de óvulos é feito por medicamentos, que podem ser de via oral ou injetáveis. A indução da ovulação é indicada principalmente nos casos em que a mulher tem anovulação. Essa é uma condição que pode ser crônica ou causada por diferentes motivos, como síndrome do ovário policístico e estresse.

Na anovulação o óvulo não é liberado pelo ovário para ser fecundado, por isso, a indução da ovulação pode ser um bom tratamento para essa questão.

6. Doação de óvulos, sêmen ou embriões

Se o casal não puder gerar seus embriões, eles podem utilizar óvulos, sêmens ou embriões doados de acordo com o que eles necessitarem. Caso eles precisem da doação de um óvulo, este é fecundado com o sêmen do homem por meio da fertilização in vitro. E a mulher tem que realizar um tratamento apenas para receber o embrião.

Já se o casal precisar de um sêmen, a fecundação pode ser feita novamente pela fertilização in vitro ou pela inseminação artificial. Se eles precisarem tanto do óvulo quanto do sêmen, podem optar por um embrião fecundado pela fertilização in vitro que tem que ser injetado no útero da mulher. Nesse caso, a mulher também tem que passar por um tratamento para receber esse embrião.

Após verificar essa lista dos principais tipos de tratamento de fertilidade utilizados fica claro que cada um deles é indicado para casos específicos. Ou seja, em uma situação um tratamento pode ser a melhor alternativa enquanto em outra ele pode não ser tão efetivo.

Por isso, antes de optar por um tratamento, você precisa consultar um médico. Assim, o profissional poderá examinar o caso, identificar a causa da infertilidade e recomendar o tratamento mais adequado para sua situação.

Aqui na Clínica Reprodução Humana e Fertilização do Amato – Instituto de Medicina Avançada temos uma equipe especializada em tratamentos de fertilidade. Então, se ainda não sabe aonde ir para descobrir qual é o melhor tratamento para você, marque uma consulta conosco

 

nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).