Como calcular a tabelinha

Como calcular a tabelinha

A tabelinha é um dos métodos mais utilizados por mulheres quando elas desejam engravidar mais rapidamente, e também quando elas precisam evitar uma gravidez não desejada. Apesar de ser uma técnica comum, ainda existem muitas dúvidas acerca dessa ferramenta. Se você também não sabe ao certo como calcular a tabelinha, veja a seguir como proceder.

O que é a tabelinha

Antes de tudo, me responda: você sabe o que é a tabelinha? A tabelinha é um método contraceptivo usado para identificar o período fértil da mulher. Ou seja, aqueles dias em que acontece a ovulação e que é o momento ideal para uma gravidez natural.

Para calcular a tabelinha, é preciso saber também o que é o ciclo menstrual. Pois bem, o ciclo menstrual começa no primeiro dia da sua menstruação e termina no início da sua menstruação seguinte. O período fértil normalmente acontece na metade do ciclo e dura cerca de 5 dias.

Mulheres com ciclos regulares, de 28 dias, por exemplo, costumam apresentar o período fértil por volta da metade desse ciclo, ou seja, entre o 10° e o 14° dia.

A tabelinha é usada exatamente para descobrir quando a mulher está fértil e, a partir desta informação, ela pode escolher se mantém relações sexuais desprotegidas ou não, de acordo com o seu objetivo: engravidar ou evitar uma gravidez.

Portanto, a tabelinha serve como um auxiliar no planejamento familiar e reprodutivo da mulher. Ela ajuda a mulher a conhecer o seu corpo e a planejar as suas relações sexuais de acordo com as suas necessidades.

Vale lembrar que o uso da tabelinha só faz sentido se a mulher não usar outros contraceptivos hormonais, como a pílula e o anticoncepcional injetável. Esses métodos impedem a ovulação e, portanto, não permitem que a gravidez aconteça.

Veja a seguir como construir a sua tabelinha.

Como calcular a tabelinha

A tabelinha é um dos métodos mais usados para controlar o período fértil da mulher. A razão é a sua simplicidade. Para executá-la, basta ter um calendário em mãos e conhecer bem como funciona o seu ciclo.

Veja o passo a passo de como calcular a tabelinha de acordo com um ciclo regular de 28 dias (para mulheres com esse ciclo, veja seu período menstrual médio). Teste seu ciclo. Neste exemplo, o ciclo se inicia no dia 10 e termina no dia 7 do mês seguinte.

  1. Pegue um calendário contendo um mês de 30 dias.
  2. Anote nesse calendário o primeiro dia da sua menstruação. Esse será o primeiro dia do seu ciclo menstrual. Os primeiros 9 dias da sua menstruação são aqueles em que há menos chances de engravidar. Marque todos eles no calendário. 

Supondo que você tenha menstruado no dia 10, você vai marcar desde o dia 10 até o dia 18, de acordo com o exemplo citado.

  1. A partir do 10° dia até o 14° dia do seu ciclo menstrual já pode ser considerado o seu período fértil, quando o seu corpo está ovulando. De acordo com o exemplo, o período fértil começa no dia 19 e vai até o dia 23. Manter relações sexuais nessa época, sem preservativo, rende boas chances de uma gravidez espontânea.
  2. Em seguida, marque os outros dias considerados não férteis: 15° dia até o começo da sua próxima menstruação. Isto é, do dia 24 até o dia 7 do mês seguinte.

Pronto, você já tem a sua tabelinha. É só adequá-la à sua rotina e criar uma nova a cada ciclo menstrual.

Para melhorar a visualização, use cores diferentes para os dias de menstruação, para o período não fértil e, principalmente, para o período fértil. Este é o mais importante para que você saiba quando estará apta a engravidar e como acelerar ou evitar essa gestação.

Nesse exemplo simples, você conseguiu identificar:

  • O começo e o fim do seu ciclo
  • Os dias de menstruação
  • O seu período fértil
  • O período não fértil

Tabelinha é um método seguro?

A tabelinha é um método tradicional, popular, acessível, fácil e prático. Também tem a vantagem de não produzir efeito colateral, uma vez que não utiliza hormônios de nenhuma forma.

Apesar das vantagens, não é o mais indicado para evitar uma gravidez, se este for o seu objetivo. Para que os resultados sejam o mais próximo possível da realidade, o ciclo da mulher deve ser regular e ela precisa saber com clareza quando ele começa e termina.

O fato é que a maioria das mulheres possuem ciclos variados e muitas outras apresentam ciclos completamente irregulares, sendo quase impossível prever quando elas estarão férteis ou não. 

Sem contar o fato de que até os ciclos regulares podem sofrer alterações naturais, biológicas comuns do nosso organismo. Por isso, optar apenas pela tabelinha como um método contraceptivo é bastante arriscado.

Se você não deseja engravidar de jeito nenhum, é recomendado o uso de outros métodos contraceptivos, ainda que aliados, na prevenção da gravidez. Já se o seu objetivo é aumentar as chances de uma gestação, sem pressa, a tabelinha pode ajudar.

Para ambos os casos, também é recomendado o uso de aplicativos que acompanham as datas da menstruação. São ferramentas muito fáceis de usar e que ajudam a mulher a ter uma orientação melhor, mais específica sobre o ciclo.

A calculadora do período fértil, por exemplo, é um dispositivo que auxilia a mulher a descobrir quando ela está ovulando, mesmo que tenha ciclos menstruais irregulares.

Tabelinha e as DST’s

É preciso lembrar que quando usada como um método contraceptivo, a tabelinha não protege dos riscos da infecção da mulher e do homem pelas doenças sexualmente transmissíveis. Essas doenças seriam facilmente prevenidas com o uso do preservativo masculino ou feminino.

Esse é um fator que também deve ser levado em consideração na hora de optar por uma forma de prevenir a gravidez. Mais importante do que engravidar ou evitar uma gravidez é cuidar com carinho e responsabilidade da sua saúde íntima, evitando o contágio de doenças venéreas.

Hoje você viu como calcular a tabelinha corretamente e de que forma ela pode ajudar você a conhecer mais o seu corpo e o seu ciclo menstrual. Contudo, espero ter ficado claro que esse método não é considerado o mais indicado para prevenir uma gravidez, visto que é muito instável e depende exclusivamente de um ciclo regular, o que é um pouco raro na maioria das mulheres.

Para informações precisas sobre fertilidade, métodos contraceptivos e demais questões relacionadas à sexualidade da mulher, procure um ginecologista e tire as suas dúvidas.

 

nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).