7 exercícios para otimizar o seu corpo para o dia do parto

Sumário

Com apenas algumas semanas faltando para o final da gestação, o dia do parto não sai da minha mente.

Tipo, está MUITO na minha mente.

Meu corpo tem crescido e mudado muito para acomodar essa pequena vida, e estou encontrando novas dores e sensações interessantes todos os dias. Conforme planejo dar à luz esse bebê meigo, mover meu corpo tem sido incrivelmente importante. Não apenas para lidar com as novas dores, mas para otimizar meu corpo para o dia do parto.

Dizem que dar à luz é uma maratona, não é? E você não iria aparecer na sua primeira maratona sem treinar e se preparar para isso, e acho importante que o mesmo seja feito na preparação para o dia do parto!

Aqui estão sete exercícios que eu tenho sugerido no dia a dia:

Abrace seu bebê

Ahhh, estou começando com o meu movimento favorito – é um que me faz sentir mais conectada ao bebê, e me concede o tempo e o espaço para respirar e fazer nossos corações baterem juntos.

Este exercício fortalece os músculos abdominais transversais, que envolvem a parte central do seu corpo. Quando ativado corretamente, ele diminui, aumenta e, principalmente, durante o parto, comprime. Durante a fase de trabalho de parto, isso ajuda o útero nas contrações finais para tirar o bebê. É também o primeiro movimento que você desejará voltar a praticar pós-natal para colocar seus abdomens no lugar.

Como fazê-lo:

  1. Você pode fazer isso sentada, deitada com os joelhos dobrados, em pé ou até mesmo sentada em uma bola de exercícios. Verifique se você está confortável em uma posição neutra.
  2. Coloque as mãos em cada lado das costelas para poder sentir as costelas se expandir para fora a cada inspiração e sentir os seus dedos atraindo na direção deles a cada expiração.
  3. Inspire pelo nariz, permitindo que sua barriga se encha de ar, as costelas se expandam para fora e os músculos do estômago relaxem completamente.
  4. Expire longa, lenta e uniformemente, emitindo um som de “S” enquanto se concentra em puxar os quatro cantos da região abdominal – ossos do quadril e ambos os lados das costelas. Mantenha sua coluna longa. Essencialmente, visualize seus abdominais transversais abraçando seu bebê.

Agachamentos

O agachamento é um dos exercícios mais acessíveis e funcionais, mesmo quando a data do parto se aproxima. Eles são uma excelente maneira de fortalecer as pernas e o bumbum – e se você está planejando um parto natural, precisará de uma parte inferior do corpo forte para manter algumas posições recomendadas para o parto. Além disso, agachamentos profundos ajudam a relaxar e alongar os músculos do assoalho pélvico e alongar o períneo.

LEIA TAMBÉM:  Gestação de alto risco

O agachamento é uma maneira poderosa de dar à luz – seu canal de parto está alinhado, ele abre a saída pélvica de 0,5 a 1,2 cm a mais para permitir mais espaço para o bebê emergir, e você tem a ajuda da gravidade para ajudar a mover o bebê no canal de parto.

Como fazê-los:

  1. Fique em pé com os dois pés uniformemente no chão, um pouco mais afastados do que a distância do quadril, dedos apontando levemente para fora. Inspire pelo nariz enquanto se articula nos quadris, dobra o joelho e senta o bumbum em um agachamento. Imagine encostar os ossos para trás como se estivesse sentando em uma cadeira.
  2. Quando você estiver agachada, contraia as nádegas e pressione suavemente os joelhos para fora, para que se estendam diretamente sobre os dedões do pé.
  3. Ao empurrar com os pés para subir, expire longa, lenta e uniformemente, enquanto imagina seus abdominais transversais envolvendo o bebê e abraçando-o em sua espinha. Empurre com os pés, contraindo o assoalho pélvico, levantando-se.

Alongamentos do assoalho pélvico

Os músculos do assoalho pélvico ajudam a apoiar os órgãos pélvicos: o útero, a bexiga e os intestinos. Se você os tonificar, irá aliviar muitos desconfortos do final da gravidez, como hemorróidas e o escape urinário. E aprendendo a contrair e liberar adequadamente o assoalho pélvico durante a gravidez ajudará tremendamente na hora de dar à luz seu bebê.

Como fazê-los:

  1. Coloque um bloco de ioga ou uma pilha de travesseiros contra a parede. Fique de costas para a parede, com os pés à sua frente.
  2. Inspire pelo nariz enquanto você desliza lentamente pela parede. Expire longa, lenta e uniformemente pela boca, continuando descendo pela parede, permitindo que o assoalho pélvico se solte completamente até alcançar o bloco de ioga/travesseiros.
  3. Uma vez abaixada, abra os joelhos e aplique pressão suavemente acima dos joelhos para um alongamento adicional. Segure por 90 segundos. Feche os joelhos e repita.

E enquanto falamos dos músculos do assoalho pélvico…

Kegel

À medida que o bebê ganha peso dentro do útero durante a gravidez, os músculos do assoalho pélvico precisam suportar cada vez mais peso. Algumas vezes, eles não estão totalmente preparados para o trabalho. Se você notar vazamentos ocasionais de urina — quando tosse, espirra ou tenta correr — é porque seus músculos sobrecarregados do assoalho pélvico não conseguem suportar totalmente a bexiga e os órgãos internos da maneira como estão costumados a fazer.

LEIA TAMBÉM:  HIV e gestação

A pesquisa sugeriu que as mulheres que fazem exercícios no assoalho pélvico durante a gravidez podem ter uma fase ativa do trabalho de parto mais curta do que outras mulheres. E como se isso não bastasse, foi demonstrado que os exercícios de Kegel melhora sua saúde e prazer sexual e ajuda você a atingir o orgasmo com mais facilidade ;).

Como fazê-los:

  1. Tente interromper o fluxo de urina quando estiver sentada no vaso sanitário sem contrair os músculos abdominais, das nádegas ou da coxa. Quando você consegue iniciar e parar de urinar com sucesso ou sentir a contração do músculo vaginal, você está usando o músculo do assoalho pélvico, o músculo que deve estar contraindo durante os exercícios de Kegel.
  2. Para fazer os exercícios de Kegel lentos, contraia o músculo do assoalho pélvico – foi-me descrito como imaginar um smoothie espesso através de um canudo com os músculos da vagina enquanto você puxa o assoalho pélvico para cima – então segure de três a 10 segundos. Relaxe e repita até 10 vezes.
  3. Para fazer os exercícios de Kegel rápidos, contraia e relaxe rapidamente o músculo do assoalho pélvico de 25 a 50 vezes. Relaxe por 5 segundos e repita a sequência até quatro vezes.
  4. Também gosto que as mulheres pratiquem a analogia de um elevador – enquanto você contrai o assoalho pélvico, imagine que você está subindo o elevador lentamente: primeiro andar, segundo andar, terceiro andar (fazendo uma breve pausa em cada andar) e solte lentamente – 3º andar, 2º, 1º, soltando todo o caminho até o subsolo, para que você aprenda a soltar completamente o assoalho pélvico, importante para o parto.

Alongamento borboleta

Este é um exercício que fortalece e alonga os músculos das costas, coxas e pélvis e melhora sua postura. Também mantém as articulações pélvicas flexíveis, melhora o fluxo sanguíneo para a parte inferior do corpo e facilita o parto.

Como fazê-lo:

  1. Sente-se no chão, com as costas retas na posição “borboleta” (a parte inferior dos pés juntos e os joelhos caídos confortavelmente).
  2. Ao pressionar os joelhos gentilmente em direção ao chão usando seus cotovelos, você deve sentir um alongamento na parte interna das coxas. Não balance os joelhos para cima e para baixo rapidamente. Se você achar difícil manter as costas retas, use uma parede para apoiá-las.
  3. Mantenha a posição por 10 ou 15 segundos e repita o alongamento cinco ou 10 vezes.
LEIA TAMBÉM:  Estou grávida e não quero parar de beber

Inclinações pélvicas gato-vaca

As inclinações pélvicas fortalecem os músculos abdominais, ajudam a aliviar as dores nas costas durante a gravidez e o trabalho de parto, podem ajudar o bebê a se posicionar de maneira ideal para o parto e facilitar o parto. Este exercício também pode melhorar a flexibilidade das costas e evitar dores nas costas.

Como fazê-las:

  1. Fique confortavelmente com suas mãos e joelhos no chão, mantendo a parte de trás da cabeça alinhada com a coluna, com os pulsos diretamente abaixo dos ombros.
  2. Inspire, puxando o estômago para dentro, arqueando o meio da coluna em direção ao teto, com o queixo enfiado no peito (gato). Mantenha essa posição por alguns segundos.
  3. Expire, relaxando o estômago e deixando a gravidade puxá-la em direção ao chão, enquanto olha para o céu (vaca). Mantenha essa posição por alguns segundos.
  4. Repita este exercício de três a cinco vezes. Gradualmente trabalhe até 10 repetições.

Cisne em pé

Esse movimento combina força do núcleo, resistência da parte inferior do corpo, mobilidade da coluna vertebral, alongamento do assoalho pélvico e oferece a oportunidade de praticar seu trabalho respiratório.

Como fazê-lo:

  1. Fique em pé com as pernas afastadas e giradas externamente, com uma bola de exercícios bem à sua frente.
  2. Inspire pelo nariz, acene com a cabeça e comece a rolar para baixo. Enquanto faz isso, coloque as mãos na bola e comece a empurrar a bola para frente.
  3. Expire longa, lenta e uniformemente, enquanto continua a empurrar a bola, dobrando os quadris, dobrando os joelhos e estendendo os ossos para trás até os braços ficarem retos e o corpo quase paralelo ao tapete. Inspire pelo nariz e mantenha a posição.
  4. Exale longa, lenta e uniformemente pela boca ao envolver os seus abdominais transversais e abrace seu bebê enquanto levanta e contrai o assoalho pélvico. Em seguida, rode a parte inferior das costas em uma curva C, enquanto empurra com os pés para ficar de pé, articulando a coluna da mesma maneira que você fazia no caminho para baixo.

Quais movimentos você praticou para o parto?

 

nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).