Pular para o conteúdo

Artigo: Entendendo e Gerenciando Corrimentos Vaginais

Corrimentos vaginais são uma preocupação comum entre muitas mulheres. Eles variam em cor, odor, consistência e podem afetar significativamente a qualidade de vida. É importante entender a diferença entre secreções normais e aquelas que indicam uma condição de saúde que necessita atenção.

Sumário

O vídeo aborda a questão do corrimento vaginal, um fenômeno comum entre muitas mulheres que pode resultar em desconforto físico e preocupação. Ele explica que o corrimento pode variar entre normal e patológico, tendo diferentes cores, consistências e odores dependendo da causa.

Por exemplo, um corrimento de consistência escorregadia similar à clara de ovo é comum durante a ovulação e é normal. Já secretões esbranquiçadas semelhantes a leite coalhado, ou de cor amarela ou esverdeada, e que apresentam odor forte podem ser uma indicação de infecções vaginais como a candidíase, a vaginose bacteriana ou a tricomoníase, requerendo tratamento.

O vídeo também discute a importância de evitar duchas vaginais, já que essa prática pode remover as bactérias saudáveis responsáveis pela manutenção do pH vaginal adequado. Além disso, o uso de produtos perfumados ou roupa íntima muito apertada pode contribuir para irritações e infecções.

Por último, o vídeo destaca a importância de um bom regime alimentar para manter a saúde vaginal, sugerindo a ingestão de probióticos, alimentos ricos em fibra, frutas ricas em água para manter a hidratação, e alimentos ricos em vitamina C, vitamina E e Ômega 3 para fortalecer a imunidade. Recomenda-se também evitar alimentos ricos em carboidratos e açúcares que alimentam os fungos.

Sabe aquela secreção vaginal que às vezes você nota na sua calcinha? Ou que te incomoda em alguns dias do mês? Às vezes porque coça, às vezes porque tem um cheiro estranho? Pois é, é sobre isso que nós vamos conversar no vídeo de hoje. Como acabar de uma vez por todas com corrimento. E você sabe o que é o corrimento? O corrimento? Ele é uma secreção que sai da nossa vagina em determinadas ocasiões e ele tem uma variação, então ele varia de acordo com a cor, com o cheiro, com a consistência e muitas vezes atrapalha e muitas vezes atrapalha a nossa qualidade de vida. Porque é muito chato você sempre ter a preocupação de que você está com corrimento, só que existem certas secreções que elas são normais no nosso organismo. Por exemplo, eu vou te dar um exemplo de quando a gente está no período fértil. Sabe aquele período próximo da ovulação? Por acaso você já sentiu uma secreção que ela parece uma clara de ovo que sai da nossa vagina? E às vezes ela é até em grande quantidade e que chega a molhar a calcinha e chega a molhar a sua calça? Essa é uma secreção fisiológica, ou seja, uma secreção normal que acontece para manter essa região da vagina propícia para quando você tiver uma relação sexual. Esse esperma que sai do homem, ele tem condições de subir pelo buraquinho ali do colo do útero e encontrar com o óvulo que está vindo lá na sua trompa. Existem também os corrimentos que são patológicos, ou seja, aqueles corrimentos que a gente realmente precisa tratar e quais são eles? Acho que muitas mulheres aqui, pelo -1 vez na vida, já teve aquele corrimento esbranquiçado que coça, que parece jornal molhado, leite coalhado. Pois é, é a candidíase. Ela é uma infecção que deve ser tratada. Além disso, sabe um corrimento que ele é mais acinzentado e ele pode ter um odor de peixe, um odor bem forte. Essa é uma infecção também e é chamada de vaginose bacteriana. Além disso, a gente também tem um corrimento que pode ser mais pro amarelo. Às vezes você acha que é um amarelo, às vezes acho que é um esverdeado. Também é outro corrimento que deve ser tratado e ele é chamado de tricomoníase. Além desses que a gente já conhece e que muitas vezes a gente já até tratou no ginecologista conformada vaginal. A gente tem aquele corrimento que é causado por doenças sexualmente transmissíveis, como a gonorreia. Como a Aninha é séria, como a clamídia, que é um corrimento que parece um pouquinho mais amarelado, mas que causa muita dor. E a mulher quando está grávida, a mulher quando está grávida ela tem um aumento da sua secreção vaginal e uma secreção vaginal que o ginecologista normalmente quando está fazendo pré natal obstetra, ele sempre pergunta para a mulher Olha, você está sentindo alguma secreção diferente na sua vagina? Muitas vezes a mulher sente essa secreção, mas é uma vagina mais úmida que não tem nenhuma característica desses corrimentos que a gente conversou até agora. Mas lembrando que a grávida, ela tem uma chance maior de ter a candidíase, que é aquele corrimento branquinho que coça muito porque ela está numa fase onde ela tem uma baixa imunidade. E se eu falar pra você que alguns hábitos da nossa rotina eles podem dar infecção vaginal e você pode ter um corrimento que é v. Por exemplo, quem usa ducha vaginal, quem usa a ducha vaginal, ela vai limpar aquela região da vagina, porém ela vai tirar a proteção vaginal também, que são aqueles microrganismos que são responsáveis pela produção e manutenção do pH vaginal. Então se você usa a ducha vaginal, você pode parar agora, porque você pode estar propiciando a ter infecção vaginal. Além disso, sabe aquele sabonete ou aquele perfuminho que você usa todo dia, que se acha muito cheiroso e que vai deixar a sua região íntima cheirosa para a hora da relação sexual? Ela é o vilão também? Então deixe de usar esses produtos, deixe de usar produtos que possam irritar ativos para essa região e causar infecções. E quem aqui nunca perdeu um absorvente interno que não conseguiu tirar? Sabe aquele absorvente tipo app que você introduz dentro da vagina e quando você tira você não acha fiozinho? E às vezes você fica uns dois dias com aquilo e depois você vai num médico pra ele retirar para você aquilo deixa a região vaginal muito úmida. Com isso tem a proliferação de fungos e bactérias, causando assim o corrimento. E como tratar esse corrimento? Cada corrimento ele tem um tipo de tratamento específico, por exemplo, o corrimento que é causado por um fungo, por exemplo, a candidíase. Ele tem a pomada la pro fungo. Ele tem um antifúngico, às vezes só a pomada, às vezes a pomada e um comprimido. Os outros tipos de corrimento patológicos que precisam ser tratados, eles devem ser tratados com uma pomada que contenha antibiótico. Mas como tudo na vida, as bactérias, elas também são diferentes entre si. Então, se você lembra lá das aulas de biologia quando estava na escola, das bactérias negativas, das bactérias positivas, existem antibióticos para cada tipo de bactéria. Não adianta ir na farmácia e pedir uma pomada vaginal para tratar certo corrimento, pois você pode estar tratando de maneira errada e com isso você vai causando uma resistência no seu organismo contra aquele remédio, ou seja, o remédio ele não fica tão eficaz e você fica usando a mesma pomada várias vezes. Por isso que é muito importante quando você tem um corrimento vaginal, você procurar o médico para que ele te examine e avalie o tipo de corrimento que é, que bactéria, que fungo que está causando isso para passar um tratamento adequado. Mas aqui nesse vídeo o que eu quero dar para vocês são dicas muito práticas de como acabar de vez com esse corrimento. Não ter mais corrimento na sua vida. Vamos lá? Tem que seguir à risca. Primeiro manter as roupas sempre secas e não ficar com as roupas úmidas, principalmente na academia, na piscina, O uso de roupas mais folgadas que não apertem tanto a região da vagina, porque a roupa apertada também. Sabe aquela calcinha apertada que entrou, aquela calça jeans que incomoda? Ela pode dar micro lesões ali na entradinha da vagina e isso ser um canal para proliferação de certas bactérias e infecção. Você deve evitar ter relação sexual desprotegida. Por quê? Para evitar de você pegar uma clamídia, uma gonorreia, uma doença sexualmente transmissível. Então, sempre em relação sexual protegida com camisinha, tomar muito cuidado na hora da sua higiene íntima. Esqueça duchas vaginais, as duchas vaginais. Elas são o vilão. E dê preferência para sabonetes específicos para a área íntima, que são os sabonetes líquidos que tem o pH muito próximo do pH vaginal ou pH neutro. Importantíssimo nunca se auto medicar, cuidar da sua dieta, tomar bastante líquido, diminuir o consumo dos carboidratos que quando são digeridos lá pelo nosso organismo, eles viram glicose, que é a comidinha preferida dos fungos. Evitar os doces é como tudo na vida, a gente tem o remédio natural. Aqui a gente tem como prevenir o aparecimento desses corrimentos com a sua alimentação. Vamos conversar um pouquinho sobre os alimentos que são essenciais para a saúde vaginal da mulher e que você deve colocar na sua rotina diária. Os probióticos e os probióticos Eles são essenciais porque eles promovem bactérias boas no nosso organismo e mantêm o equilíbrio da flora e dos microorganismos. Então inclua na sua alimentação, na sua rotina, um iogurte natural, um kefir, alimentos, legumes fermentados como acelga, como chucrute. Eles tem esse poder de dar pro seu organismo bactérias boas e com isso prevenir um desequilíbrio dessa flora microbiana. Alimentos rico em fibras os alimentos rico em fibras são as frutas, são os grãos integrais, as verduras, os vegetais e por que incluí los na sua alimentação para manter a sua vida intestinal? A saúde intestinal é muito importante na saúde vaginal também. O nosso intestino também é colonizado por várias bactérias, por vários fungos que são responsáveis pela nossa nossa saúde intestinal, São bactérias que ajudam a digerir o resto dos alimentos, absorver o que é importante para o nosso organismo e excretar, jogar tudo fora o que não é bom para o nosso organismo. Inclusive manter esse equilíbrio bacteriano que é muito importante para a saúde intestinal e vaginal. Inclua também alimentos ricos em água. Sabe aquelas frutas que têm muita água? Por exemplo, a melancia, o pepino? Eles tem muita água e mantém a hidratação naquela região vaginal. E tomar água mesmo com a pelo -1 litro a dois litros de água por dia, independente se você faz atividade física ou não faz. E para quem faz atividade física tomar até mais do que dois litros por dia e consumir alimentos ricos em vitaminas e minerais para manter a sua saúde imunológica, ou seja, para você manter a sua imunidade e não ter quedas de imunidade que propiciam o corrimento vaginal. Quer saber quais são os principais a vitamina C? Então inclua na sua rotina diária as frutas cítricas. Além disso, o pimentão, o morango e além da vitamina C, a vitamina E, que está presente em muitos grãos, nas nozes, no óleo vegetal. Inclua peixes mais peixes ricos em ômega três, que tem ação anti-inflamatória e antioxidante que vão melhorar a sua imunidade, além de prevenir essas infecções. Você conhece os peixes ricos em ômega três? Temos a sardinha, temos o salmão, mas não é só isso. Alguns grãos também são ricos em ômega três, como a linhaça, a chia e até as nozes. Inclua alho na sua alimentação. O alho ele tem propriedades anti-inflamatórias, então vai fazer um arroz, vai fazer o feijão, vai fazer um legume, Corta o alho, pique bastante, consuma de 3 a 4 alhos por dia dos gominhos de alho. Muito importante para a sua saúde. É uma dica importante que eu sempre falo evite os carboidratos e corte o doce. Gostou desse vídeo? Compartilha lá com uma amiga e inscreva se aqui no nosso canal e ative o sininho de notificação até a próxima!

LEIA TAMBÉM:  Miomas: tumores benignos causados por disfunções hormonais - video

Tipos de Corrimento Vaginal

      1. Secreções Fisiológicas: Durante o ciclo menstrual, é normal observar secreções vaginais, especialmente durante o período fértil. Essas secreções, semelhantes à clara de ovo, são normais e servem para facilitar a mobilidade dos espermatozoides durante a ovulação.
      2. Corrimentos Patológicos: São aqueles que indicam uma condição de saúde que requer tratamento. Exemplos comuns incluem:
        1. Candidíase: Caracteriza-se por um corrimento esbranquiçado e coceira intensa.
        2. Vaginose Bacteriana: Apresenta-se geralmente com um corrimento acinzentado e odor forte.
        3. Tricomoníase: Corrimento de cor amarelada ou esverdeada.
        4. Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs): Como gonorreia e clamídia, que podem causar corrimento e desconforto.

    Fatores de Risco e Prevenção

    Alguns hábitos podem aumentar o risco de infecções vaginais, levando a corrimentos patológicos:

        • Uso de Duchas Vaginais: Pode desequilibrar o pH vaginal e remover bactérias protetoras.
        • Produtos Perfumados: Sabonetes e perfumes íntimos podem irritar a vagina.
        • Roupas Úmidas ou Apertadas: Podem criar um ambiente propício para o crescimento de fungos e bactérias.
        • Relações Sexuais Desprotegidas: Aumentam o risco de ISTs.

      Dicas para a Saúde Vaginal

          1. Higiene Apropriada: Preferir sabonetes líquidos específicos para a área íntima, com pH neutro ou similar ao vaginal.
          2. Dieta Equilibrada: Consumir alimentos ricos em probióticos, fibras, vitaminas e minerais. Reduzir o consumo de carboidratos e açúcares, que alimentam fungos.
          3. Hidratação Adequada: Ingerir bastante água e consumir alimentos ricos em água, como melancia e pepino.
          4. Uso de Roupas Confortáveis: Preferir roupas que não sejam muito apertadas na região genital.
        LEIA TAMBÉM:  O que é adenomiose?

        Tratamento

        Cada tipo de corrimento requer um tratamento específico. Por exemplo, antifúngicos são usados para candidíase, enquanto antibióticos são necessários para tratar ISTs e outras infecções bacterianas. É crucial consultar um médico para um diagnóstico preciso e tratamento adequado.

        Conclusão

        Corrimentos vaginais são uma parte normal da saúde feminina, mas é vital distinguir entre secreções normais e aquelas que requerem atenção médica. Manter bons hábitos de higiene, uma dieta equilibrada e consultar regularmente um ginecologista são essenciais para manter a saúde vaginal.

        O que você achou?

        0 / 5 Resultado 0 Votos 0

        Your page rank:

        Dra. Juliana Amato

        Dra. Juliana Amato

        Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).

        >
        error: Alert: Content selection is disabled!!