Pular para o conteúdo

É possível que você já tenha ouvido em algum lugar que as pílulas contraceptivas de emergência e o DIU são abortivos. Le…

É possível que você já tenha ouvido em algum lugar que as pílulas contraceptivas de emergência e o DIU são abortivos. Leia até o fim para esclarecer de vez essa questão.⠀


A contracepção oral padrão e as pílulas anticoncepcionais de emergência evitam a ovulação. Caso a ovulação já tenha ocorrido quando você faz uso da pílula anticoncepcional de emergência, pode impedir a implantação de um óvulo fertilizado.⠀


Um DIU funciona espessando o muco cervical. Isso pode prevenir a ovulação e criar um ambiente que mata ou imobiliza os espermatozoides, evitando a possibilidade de fertilização.⠀


Já que você só é considerada grávida pelo depois que a implantação ocorre, o DIU não interrompe a gravidez. Em vez disso, eles evitam que a gravidez aconteça. Logo, fica claro que o DIU e a contracepção de emergência não são formas de aborto, mas sim contracepção.⠀


O DIU e as pílulas anticoncepcionais de emergência são formas extremamente eficazes de contracepção. De acordo com Organização Mundial de Saúde, ambos são 99% eficazes em evitar a gravidez.⠀



? Tem alguma dúvida? Deixe uma mensagem e tire sua dúvida.⠀⠀
⠀⠀
? Procure sempre o médico(a) de sua confiança.⠀⠀

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖⠀⠀
PARA RECEBER DICAS E NOVIDADES BASTA MANDAR UM “EU QUERO” NO ZAP (11) 93318-3661⠀

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖⠀

?‍⚕ Dra. Juliana Amato CRM-SP 106.072⠀

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖⠀

? (11) 5053-2222 ou 93318-3661⠀

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖⠀

#sãopaulo #saopaulospbr #sãopaulospbrasil #saopaulosp #saopaulocity
nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).

>
error: Alert: Content selection is disabled!!