fbpx Procedimentos de Extração de Esperma | Reprodução Humana e Fertilidade

Clínica de Fertilidade e Reprodução Humana. Tel: (11) 5053-2222 Av. Brasil 2283. São Paulo. e-mail

Procedimentos de Extração de Esperma

Procedimentos de extração

A coleta de esperma é totalmente diferente de uma biópsia testicular diagnóstica desde que o objetivo não seja identificar o que está acontecendo no testículo, mas, em vez disso, encontrar e extrair o esperma. Só homens sem espermatozoides em sua ejaculação (azoospermia) precisam ter esperma obtido diretamente do testículo ou epidídimo. Isto pode envolver uma aspiração simples para homens que têm um bloqueio ou exigir uma amostragem muito mais extensa do testículo para homens que têm um problema de produção de espermatozoides. Como resultado, há uma diferença significativa na quantidade de tempo que leva, a necessidade de anestesia e os equipamentos utilizados. Muito poucos testes permitem uma previsão precisa à respeito se os espermatozoides serão ou não encontrados nos testículos  com problemas. Testes genéticos podem dar insights sobre a chance de encontrar espermatozoides, mas não são absolutos. O padrão do problema no testículo encontrado no momento da biópsia testicular diagnóstica pode ser ligeiramente preditivo, mas não há nenhuma descoberta que absolutamente prevê a presença ou ausência de espermatozoides. Outros exames de sangue, incluindo estudos hormonais, não são preditivos. Finalmente, mesmo tendo encontrado espermatozoides na sessão de coleta anterior não há garantias de que serão encontrados espermatozoides nas tentativas de coleta futuras. Assim, a biópsia testicular diagnóstica não é realizada rotineiramente em pacientes que devem ser submetidos a coleta testicular do esperma quando a causa de sua contagem zero de espermatozoides já é estabelecida através de outros meios.

O tempo de recuperação do esperma

O tempo de coleta do esperma em conjunto com o ciclo de fertilização in vitro é uma questão difícil de resolver. Há vantagens de fazer a coleta do esperma antes do ciclo de fertilização in vitro ou em conjunto com a coleta dos óvulos da parceira feminina. Sendo a decisão final feita pela preferência do programa de fertilização in vitro e seu médico especialista em reprodução humana. Realizar a coleta com antecedência e congelar o esperma, até que os óvulos sejam colhidos, permite que o casal tome uma decisão posterior se deve continuar com a fertilização in vitro ou não, já que na maioria das circunstâncias, a chance de encontrar espermatozoides pode ser de apenas 60% ou menos.

Além disso, é difícil para muitos casais se submeterem a procedimentos operacionais no mesmo dia, além dos custos agregados, recursos para assistência e tudo mais. Laboratórios de FIV frequentemente preferem trabalhar com esperma fresco ao invés de congelados e, assim, seu desejo de ter esperma fresco triunfa sobre qualquer outra consideração.

Como resultado, extrações de esperma simples normalmente são realizadas no dia da recuperação do óvulo. Extrações de esperma simples são procedimentos realizados em homens com obstrução conhecida que produzem o esperma sem nenhum problema. Estes procedimentos são resumidos abaixo e incluem a aspiração de espermatozoides testiculares (TESA), aspiração percutânea de espermatozoides (PESA) e a extração testicular de espermatozoides (TESE).

Microdissecção TESE é um procedimento muito mais complicado e é realizado no dia anterior à extração de óvulo da parceira feminina. Microdissecção TESE é cuidadosamente coordenada com o especialista em reprodução humana e é realizada por algumas vezes numa base trimestral.

Recomenda-se o procedimento de extração de esperma?

Existem inúmeras maneiras de coletar o esperma de um homem com a produção normal de espermatozoides e um bloqueio. O mais simples e mais econômico é a aspiração de esperma. Sendo rotineiramente realizada sob anestesia local e demora cerca de dez minutos.

A coleta de esperma de um homem com um problema testicular é muito mais difícil e muitas vezes leva várias horas. O procedimento ideal, extração de esperma com Microdissecção Testicular, é realizada com o auxílio de um microscópio cirúrgico, pelo qual aumentam as chances de encontrar o esperma e a quantidade de tecido retirada do testículo pode ser minimizada.

É importante compreender que o microscópio utilizado na sala de cirurgia não tem ampliação suficiente para ver o espermatozoide, mas, em vez disso, ajuda a verificar quais túbulos dentro do testículo são mais suscetíveis de conter espermatozoides. Pequenas quantidades de tecido são enviadas para o laboratório de fertilização in vitro no decurso do procedimento, para que eles possam avaliar se um número suficiente de espermatozoides foi coletado. Um mais poderoso microscópio é usado pelo laboratório de fertilização in vitro para avaliar este tecido. Biópsias repetidas de um ou ambos os testículos são obtidas até que esperma suficiente tenha sido coletado por ciclo de fertilização in vitro. Esperma extra pode ser colhido para preservar para futuros ciclos de fertilização in vitro, no caso do ciclo atual não ser bem sucedido ou o casal desejar mais filhos no futuro. Este procedimento pode demorar até quatro horas, dependendo de quão rapidamente o esperma é encontrado.

Aqui está um resumo dos procedimentos disponíveis para coleta de esperma:

Aspiração de espermatozoides testiculares (TESA)

Aspiração de espermatozoides testiculares (TESA) é um procedimento realizado para os homens que estão tendo espermatozoides obtidos por injeção de espermatozoide intracitoplasmática/fertilização in vitro (FIV/ICSI). É feito com anestesia local, no consultório ou sala de cirurgia e é coordenado com a extração de óvulo da sua parceira. Uma agulha é inserida no testículo e o tecido/esperma é aspirado. TESA é executada em homens com azoospermia obstrutiva (vasectomia s/p). Ocasionalmente, TESA não fornece suficiente tecido/esperma e é necessária uma biópsia aberta do testículo.

Aspiração percutânea de espermatozoides do epidídimo (PESA)

PESA é um procedimento realizado para os homens que estão tendo espermatozoides obtidos por injeção intracitoplasmática de espermatozoides/fertilização in vitro (FIV/ICSI) que têm azoospermia obstrutiva por uma vasectomia prévia ou infecção. É feito com anestesia local, no consultório ou sala de cirurgia e é coordenado com a extração de óvulo da sua parceira.

Extração testicular de espermatozoides (TESE)

TESE envolve fazer uma pequena incisão no testículo e examinar os túbulos para checar a presença de esperma. Ela também é feita como um procedimento agendado, ou seja, coordenado com a extração de óvulo da sua parceira. TESE é geralmente realizada na sala de cirurgia com sedação, mas pode ser executada no consultório, sozinha com anestesia local. Os pacientes geralmente criopreservam esperma durante este procedimento para futura fertilização in vitro/ICSI. A Microdissecção TESE substituiu esta como a forma ideal de extração para homens sem espermatozoides em sua ejaculação (azoospemia) com um problema com a produção.

Aspiração Microepididimal do esperma (MESA)

MESA é um procedimento realizado para os homens que têm obstrução do epidídimo ou vasal (vasectomia s/p, ausência congênita bilateral dos canais deferentes). Ele também é feito como um procedimento agendado, ou seja, coordenado com a extração de óvulo da sua parceira. MESA é realizada na sala de cirurgia com anestesia geral, utilizando o microscópio de operação. Os pacientes geralmente criopreservam esperma durante este procedimento para futura fertilização in vitro/ICSI. MESA permite uma extensa coleta de esperma em comparação com as técnicas de aspiração e é o método preferido de extração para homens com ausência congênita bilateral dos canais deferentes (CBAVD).

Microdissecção TESE (extração de espermatozoides por microdissecção testicular)

Microdissecção TESE é um procedimento realizado para os homens que têm um problema de produção de espermatozoides e tem

AZOSPERMIA. Microdissecção TESE é realizada na sala de cirurgia com anestesia geral sob o microscópio de operação. Micro TESE é cuidadosamente coordenada com a extração de óvulo da parceira feminina e é realizada no dia anterior à recuperação do óvulo. Isto permite que cada parceiro possa estar presente no procedimento do outro. Os pacientes frequentemente têm reforços de esperma de doador no caso dos espermatozoides não serem encontrados no parceiro masculino. Micro TESE melhorou significativamente as taxas de extração de esperma nos homens com AZOSPERMIA e é um procedimento mais seguro, uma vez que menos tecido testicular é removido. Pacientes criopreservam esperma durante este procedimento para futura fertilização in vitro/ICSI.

A coleta de esperma é totalmente diferente de uma biópsia testicular diagnóstica desde que neste cenário o objetivo não é identificar o que está acontecendo no testículo, mas em vez disso, encontrar os espermatozoides. Só homens sem espermatozoides em sua ejaculação (azoospermia) precisam ter esperma obtido diretamente do testículo ou epidídimo. Isto pode envolver uma aspiração simples para homens que têm um bloqueio ou exigir uma amostragem muito mais extensa do testículo para homens que têm um problema de produção de espermatozoides. Como resultado, há uma diferença significativa na quantidade de tempo que leva, a necessidade de anestesia e os equipamentos utilizados. Muito poucos testes permitem uma previsão precisa se os espermatozoides serão ou não encontrados nos testículos dos homens com problemas testiculares. Testes genéticos podem dar insights sobre a chance de encontrar espermatozoides, mas não são absolutos. O padrão do problema do testículo encontrado no momento da biópsia testicular diagnóstica pode ser ligeiramente preditivo, mas novamente, não há nenhuma descoberta que absolutamente prevê a presença ou ausência de espermatozoides. Outros exames de sangue, incluindo estudos hormonais, não são preditivos. Finalmente, mesmo tendo o esperma encontrado na sessão de coleta anterior, não há garantia de que espermatozoides serã encontrados nas tentativas de coleta futuras. Assim, a biópsia testicular diagnóstica não é realizada rotineiramente em pacientes que devem ser submetidos à coleta testicular de espermatozoides quando a causa de sua contagem zero de espermatozoides já é estabelecida através de outros meios.

O que você achou deste conteúdo?: 
0
No votes yet

Dra. Juliana Amato: Especialista em Reprodução Humana

Dra. Juliana Amato
Ginecologista, Obstetra. Chefe da Reprodução Humana do Instituto Amato
Tratamento de Infertilidade em Laboratório de Reprodução Humana(11) 5053-2222
Tudo sobre tratamento da infertilidade. Ajuda para Engravidar.
www.fertilidade.org
Clínica de Reprodução Humana: Ajuda para engravidarAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin