Pular para o conteúdo

Inseminação artificial

Quer ter um ou mais filhos e ainda não sabe como fazer isso? A inseminação artificial pode ser a solução para os seus problemas! Neste artigo, vamos explorar tudo o que você precisa saber sobre essa técnica de reprodução assistida, desde como ela funciona até quais são os seus benefícios e possíveis riscos. Se você está interessado em aumentar sua família, não pode perder essa oportunidade de conhecer mais sobre a inseminação artificial e como ela pode ser a chave para realizar o seu sonho de ter um filho!

Vamos direto ao assunto?

Histórico da inseminação artificial

A inseminação artificial é um procedimento de reprodução assistida que foi registrado pela primeira vez em 1332, quando foi realizada em eqüinos pelos árabes. Em 1779, Lázaro Spalanzani, um italiano, realizou a primeira inseminação científica, aplicando o sêmen de um cachorro em uma cadela em cio, que acabou tendo três filhotes. Nos séculos XVIII e XIX, o médico inglês Hunter obteve alguns resultados com a técnica. Na década de 1970, a inseminação artificial foi amplamente utilizada, mas com baixo índice de sucesso. Na década de 1980, com o surgimento da fertilização in vitro, a inseminação artificial foi temporariamente deixada de lado e considerada ultrapassada. No entanto, atualmente, ela tem sido utilizada novamente no tratamento de casais inférteis. A fertilização in vitro é recomendada para mulheres com obstrução tubária, seqüelas de doenças inflamatórias pélvicas, perda das trompas, infertilidade sem causa aparente e outras condições, como nascimento sem útero.

O que é a inseminação artificial?

A inseminação artificial (IA) é uma técnica de reprodução assistida em que a fertilização acontece dentro do corpo da mulher, assim como ocorreria naturalmente após uma relação sexual, não sendo necessária a retirada de seus óvulos; é diferente do que ocorre na  fertilização in vitro, em que o encontro do óvulo com o espermatozoide (a fertilização) ocorre em laboratório, sendo o embrião posteriormente colocado no útero.

Inseminação intra Uterina
Inseminação intra uterina

 

Existem duas diferentes estratégias de IA: a intracervical e a intrauterina. A primeira simula o que ocorre na relação sexual normal, isto é, os espermatozoides são depositados diretamente na cérvice feminina (a entrada do útero pela vagina – ou colo uterino). É indicada quando não é possível haver a penetração vaginal pelo parceiro, como no caso de impotência sexual ou algum outro distúrbio tanto masculino quanto feminino que possam impedir essa etapa da relação. O método intrauterino permite que os espermatozoides sejam injetados diretamente dentro do útero, aumentando enormemente as chances de seu encontro com o óvulo ali presente, além de não exigir a presença do muco vaginal em quantidade e qualidade adequadas para a gravidez, como é necessário com a estratégia intracervical ou mesmo na relação sexual normal.
Antes do depósito dentro do corpo feminino, o líquido seminal – expelido pelo homem ou retirado do mesmo – passa por um tratamento laboratorial em que os espermatozoides de melhor qualidade são selecionados para posterior realização do procedimento. Esse processo é importante para o sucesso da terapia. Outra etapa também essencial é a estimulação ovariana, isto é, a mulher faz uso de medicações que estimularão a sua produção de óvulos com o intuito de aumentar as chances de encontro entre pelo menos uma célula de cada parceiro. Essa estimulação deve ocorrer de forma controlada, limitada até certo ponto, para minimizar as chances de ocorrência de gravidez múltipla.

  • Inseminação intracervical – A inseminação intracervical (ICI) é uma técnica de reprodução assistida que consiste em introduzir espermatozoides no colo do útero da mulher, com o objetivo de facilitar a fertilização do óvulo e promover a gravidez. A ICI é uma alternativa a outros procedimentos de reprodução assistida, como a inseminação intrauterina (IUI) e a fertilização in vitro (FIV). Ela é geralmente indicada para casais que enfrentam problemas de fertilidade devido a alterações nas trompas de Falópio ou espermatozoides de baixa qualidade, ou para mulheres que desejam ter um bebê com o espermatozoide de um doador. A inseminação intracervical é um procedimento relativamente simples e pode ser realizada em um consultório médico ou em um centro de reprodução assistida.
  • Inseminação intrauterina – A inseminação artificial, também chamada de inseminação intrauterina (IIU), é uma técnica de reprodução assistida que consiste em inserir o sêmen diretamente no útero da mulher durante o período fértil, a fim de aumentar as chances de engravidar, especialmente em casos de infertilidade. Trata-se de um procedimento de baixa complexidade, cuja taxa de sucesso varia entre 20 a 30%, dependendo das características individuais do casal.

O tratamento de inseminação intra-uterina é um tratamento de baixa complexidade indicado para casais jovens com problemas leves de fertilidade ou alterações pequenas no espermograma, mulheres com dificuldade em manter relações sexuais ou alterações medulares ou paralisias que impedem a ejaculação. Também é usado para casais que usam banco de sêmen ou têm problemas graves de fertilidade ou produção própria de sêmen, e casais sorodiscordantes (um dos parceiros é soropositivo e o outro não). Antes do tratamento, é feita uma avaliação hormonal e um espermograma para verificar a qualidade do sêmen, além de uma ultrassonografia para avaliar a reserva ovariana. O tratamento começa no início da menstruação e inclui medicamentos para estimular a ovulação e um hormônio vegetal. Depois de alguns dias, quando os folículos têm cerca de 18 milímetros de diâmetro, é feita uma punção ovariana para obter os óvulos. O sêmen é colocado no útero por meio de uma cateter inserido pela vagina. Se tudo correr bem, a mulher pode ter uma gravidez.

hoje nós vamos falar um pouquinho sobre  o tratamento de inseminação  intra-uterina o tratamento de  inseminação intra uterina é um  tratamento de baixa complexidade  a indicação do tratamento é para casais  jovens casais que tenha um fator  masculino leve ou que tenha uma  alteração pequena no espermograma  pacientes mulheres que têm dificuldade  em manter relação sexual como o  vaginismo pacientes que têm alterações  medulares pacientes que é tem uma certa  paralisia é que precisa não tem a  ejaculação também é realizada a  inseminação intra-uterina casais que vão  utilizar o banco de sêmen para fazer uma  inseminação intra-uterina ou por alguma  alteração é masculina mesmo grave ou por  uma produção independente e casais  sorodiscordantes ou seja é quando a  mulher é soropositiva e o homem não é  soropositivo a gente faça a inseminação  para que o homem não tenha contato  durante o ato sexual e não tenha a  probabilidade de ser infectado  no caso do homem positivo ea mulher  negativa face um processamento seminal  com análise da carga viral daquele cm  para poder ser feita essa inseminação  como é feita a investigação para se ter  certeza se o casal tem indicação dessa  inseminação entre o interino é feito uma  dosagem hormonal tanto masculina quanto  feminina pra ver é se essa paciente está  ovulando se esse homem tem uma produção  adequada de espermatozóides é feito um  traz um transvaginal pra ver é é avaliar  a reserva ovariana dessa mulher um  espermograma para avaliar a qualidade  seminal deste homem e é realizado um  traz um transvaginal para avaliar também  essa reserva pela imagem dá para se ter  uma idéia de quando os folículos ela tem  nos ovários para predizer o quanto ela  tem ainda de reserva ovariana como que é  essa rotina de tratamento  inseminação intra uterina então o início  do tratamento é sempre feito no início  da menstruação ou seja a paciente  menstrua e ela tem que vir ao médico  para fazer uma avaliação a  ultrassonografia para ver se naquele  ciclo ela tem cistos pólipos que impeçam  a o tratamento neste mês está no  ultrassom transvaginal é sem nenhuma  alteração  ela inicia entre o 3º eo 7º dia da  menstruação uma medicação que vai  estimular a sua violação e associado com  essa medicação do terceiro ao sétimo dia  do quinto até provavelmente até o 12º  dia desse ciclo ela vai usar um hormônio  vegetal eu digo provavelmente porque  isso depende muito da resposta que ela  tem essa medicação que vai ser avaliada  por meio de ultrassom que ela vai fazer  no consultório de seu médico  entre 2 e 3 dias quando um médico ele vê  que no ultrassom essa paciente formou  folículos  e esses políticos já estão num tamanho  de 18 milímetros  vai ser utilizado uma nova medicação que  é um hormônio que vai fazer ao novo lar  de 24 a 36 horas depois  e é nesse momento que o homem vai ao  laboratório é colhe esses m é feito um  processamento seminal um preparado dos  melhores sistemas osódio e 36 horas  depois coloca se esse sistema soe dentro  do útero da mulher  isso é feito através de um cateter é um  procedimento simples que é realizado em  consultório  é como se fosse fazer um papa nicolau  onde coloca se o espéculo introduz na  entrada dinha do colo do útero esse  pequeno cateter que injeta se o sêmen lá  dentro  nesse dia a gente pede que a paciente  ela fique de repouso porém no dia  seguinte ela já tem uma vida normal não  tem contra indicação de atividade física  de trabalho ela pode manter as  atividades normais do seu cotidiano  somente depois de 12 dias feito esse  procedimento é que a gente consegue  saber se ele deu certo porque só depois  de 12 dias porque quando a gente injeta  os em mim dentro do útero da mulher  espera-se que ele encontre com óvulo lá  dentro e que ocorra a fertilização  normalmente é essa esse embrião formado  ele tem que se fixar no útero e começar  a produzir hormônios então só depois  desses 12 dias é que a gente pode fazer  um teste de beta hcg e descobrir se  realmente o tratamento deu certo  após esse exame de beta hcg é indica-se  que marque uma consulta com o seu médico  mesmo positivo negativo ou para dar  andamento ao pré natal ou para iniciar  em outros ciclos de tratamento  para mais informações acesse nossas  redes sociais  [Música] 

Para que esses métodos sejam possíveis, a mulher deve ter pelo menos uma tuba uterina viável (para permitir o fluxo do seu óvulo e posteriormente do embrião fecundado), assim como uma cavidade uterina também viável, para permitir o desenvolvimento adequado de uma gestação.
A inseminação artificial possui uma taxa de sucesso que varia entre 10 a 20%, e assim como qualquer terapia de reprodução assistida, e mesmo a concepção natural, pode ser influenciada por diversos aspectos da vida de cada parceiro individualmente, como seu estilo de vida, no compete sua alimentação, vícios, uso de medicação, doenças prévias etc. E por isso todo casal que deseja engravidar, principalmente aqueles que reconhecidamente apresentam dificuldade para tanto, devem buscar aconselhamento profissional para otimizar as suas chances de uma gravidez saudável.

Em que casos é indicado a inseminação artificial?

A inseminação artificial deve ser considerada em casos como:

  • Infertilidade de causa desconhecida em casais jovens;
  • Alterações leves ou moderadas no espermograma, principalmente relacionadas à mobilidade e concentração;
  • Irregularidades na ovulação;
  • Alteração no colo do útero;
  • Distúrbios de ovulação ou ovulação incorreta, especialmente quando relacionada à Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP);
  • Muco espesso que pode ser hostil aos espermatozoides e impedir que eles cheguem às trompas;
  • Alterações no sêmen;
  • Endometriose em casos selecionados;
  • Reprodução assistida pode ser uma opção para mulheres solteiras ou casais homoafetivos que desejam ter filhos, usando sêmen de doador.

A idade influencia na inseminação artificial?

A inseminação artificial é um procedimento que apresenta uma alta taxa de sucesso e pode ser repetido várias vezes, aumentando assim as chances de fertilização. É recomendado realizar até dois procedimentos adicionais após o primeiro, que podem ser realizados em ciclos consecutivos sem prejudicar a saúde da paciente. No entanto, existem alguns fatores que podem afetar a eficácia do tratamento e devem ser considerados. Se a inseminação artificial não der resultado, há outros métodos que podem ser adotados. O tempo pode ser um fator importante, pois a possibilidade de uma gestação é menor em mulheres com 35 anos ou mais, pois os óvulos começam a envelhecer naturalmente com o passar dos anos e também diminuem em quantidade. É importante lembrar que a idade influencia a probabilidade de sucesso do tratamento, levando em consideração as particularidades de cada indivíduo. Em mulheres até 34 anos, a probabilidade de o tratamento funcionar é relativamente alta, variando entre 20% a 30% de eficácia na inseminação artificial. Após essa idade, as chances de sucesso da inseminação artificial diminuem. A partir dos 35 anos até 39 anos, a chance é reduzida em cerca de 15%, e para pacientes com mais de 40 anos, a probabilidade de sucesso fica em torno de 1 a 5%.

Fases da inseminação artificial

Antes de realizar a inseminação, a paciente deve passar por algumas etapas e realizar exames para avaliar a saúde do sistema reprodutor. Vamos conhecer os passos desse procedimento!

Ginecologista com paciente no consultório

Estimulação ovariana

A estimulação ovariana é um tratamento que utiliza medicamentos hormonais com o objetivo de aumentar a ovulação. Ela é realizada da seguinte maneira: quando o ovário é estimulado, vários folículos começam a se desenvolver. O crescimento folicular é monitorado por meio de ultrassonografia até que os folículos estejam no tamanho ideal para romper e iniciar o processo ovulatório.

 

Preparação da amostra de sêmen

 Aproximadamente 34 horas após a ovulação ser induzida para que os folículos rompam e liberem os óvulos, os gametas masculinos são preparados. O esperma usado na inseminação artificial pode ser coletado do parceiro da paciente ou obtido por meio de doação, dependendo do caso. A preparação do esperma inclui a seleção de espermatozoides com vitalidade e mobilidade. Isso permite eliminar os gametas lentos ou imóveis e garantir um material de maior qualidade para aumentar as chances de concepção.

Inseminação intrauterina

 A amostra de esperma é inserida no útero pouco antes do início possível da ovulação. Dessa forma, os espermatozoides já estarão nas trompas uterinas no momento certo de encontrar os óvulos para que a fertilização ocorra. A introdução do sêmen na cavidade uterina é feita com o auxílio de um cateter adequado para o procedimento. Para isso, a mulher fica em posição ginecológica e o canal vaginal é mantido aberto com um espéculo. Tudo é realizado rapidamente e com pouco ou nenhum desconforto para a paciente. Após a inseminação, a mulher pode retomar suas atividades diárias, mas é recomendado evitar esforço excessivo. Cerca de duas semanas após o procedimento, a paciente pode fazer o teste de gravidez.

Passo a passo da Inseminação Artificial

 

Condições para realizar a inseminação artificial

A paciente deve ter pelo menos uma trompa uterina normal. Como a fertilização do espermatozoide no óvulo ocorre no interior da trompa (tanto na concepção natural como na inseminação), a tuba deve permitir o encontro do óvulo com os espermatozoides, sem dificuldades. A histerossalpingografia é o melhor exame para avaliar as condições das trompas uterinas. Para mulheres que tenham realizado previamente a laqueadura tubária o tratamento indicado é a fertilização in vitro ou a cirurgia de reversão de laqueadura.

Já o homem deve possuir um sêmen bom, com pelo menos 5 milhões de espermatozoides móveis progressivos para cada mL. O espermograma permite avaliar a quantidade e qualidade total dos espermatozoides. Quando a motilidade estiver abaixo de 40% e a morfologia (forma) estrita de Kruger estiver abaixo de 5%, a chance de sucesso com a inseminação artificial diminui consideravelmente e, nesses casos, pode ser indicado a fertilização in vitro com a técnica de ICSI.

Deve-se ressaltar que homens vasectomizados não podem realizar a IA, nesses casos, é possível a gestação através de uma cirurgia de reversão da vasectomia ou da fertilização in vitro com a obtenção dos espermatozoides por meio de uma punção do epidídimo ou testículo seguida da técnica de ICSI (PESA ou TESE).

Fatores que dificultam a fertilização:

  • Contagem de espermatozóides
  • Motilidade dos espermatozoides
  • Morfologia/forma dos espermatozóides
  • Trompas de falópio obstruidas ou com cicatrizes

Objetivo do processo de inseminação artificial:

  • Todo o processo de IA é feito para facilitar ao máximo possível o encontro do óvulo com o espermatozóide.

Informações importantes:

  • A inseminação artificial possui taxas de sucesso entre 10% a 20%, mas depende muito da idade da mulher e de cada caso específico.
  • A chance de nascer gêmeos depende do número de óvulos liberados. Esse controle é realizado através das doses dos hormônios utilizados.
  • Quando o número de folículos acima de 18mm é maior de 4, o risco de gravidez múltipla com a inseminação artificial é maior e nesses casos o procedimento pode ser cancelado.
  • O custo do tratamento de inseminação artificial é bem mais acessível que os tratamentos mais complexos, como a fertilização in vitro, mas não é adequado para todo mundo.

Taxa de sucesso da Inseminação artificial:

As chances de um resultado positivo na inseminação artificial ficam entre 10% e 20%. O sucesso do tratamento depende de fatores como a idade materna, a quantidade de folículos ovarianos e a qualidade dos espermatozoides. Se as tentativas de inseminação não tiverem sucesso após três tentativas, é recomendado considerar outras opções para tratar a infertilidade. Nesse caso, a indicação com maior possibilidade de sucesso é a fertilização in vitro (FIV).
  • A inseminação artificial possui taxas de sucesso entre 10% a 20%, dependendo da idade da mulher e da doença associada.

A fertilidade da mulher diminui com a idade e é mais alta até os 35 anos. Depois disso, as chances de engravidar diminuem, sendo cerca de 10% a 15% por mês após os 35 anos. Os homens têm uma diminuição da qualidade dos espermatozoides a partir dos 47 anos, mas a produção de espermatozoides continua durante toda a vida. Atualmente, as mulheres têm mais filhos mais tarde, pois estudam mais, trabalham mais e casam mais tarde. O congelamento de óvulos pode ser uma opção para mulheres que querem ter filhos mais tarde na vida, mas isso deve ser discutido com um profissional de saúde.

meu nome é doutora juliana mato e nós  vamos conversar hoje sobre relação da  fertilidade com a idade da mulher é  sabemos muito bem que a mulher ela nasce  com o número de óvulos pré definidos e  com ao longo do tempo ela vai gastando  esses jovens com ela nasce com cerca de  5 milhões de óvulos  quando ela entra na mina na qual seja na  sua primeira menstruação a cada mês ela  tem a sua população e ela vai gastando  esses jogos  cerca de 35 anos essa fertilidade essa  quantidade de óvulos já está diminuída  mais da metade por isso que nós dizemos  que as mulheres a idade ideal para a  mulher engravidar é até os 35 anos a  chance normal de uma mulher engravidar  que ela não tem nenhum problema de saúde  nem o marido é cerca de 20% ao mês  é uma porcentagem se nós formos pensar  até baixa mas depois dos 35 anos  ela baixou mais ainda então cerca de 50%  das mulheres com mais de 35 anos ela já  tem uma dificuldade para engravidar em  uma chance de engravidar diz cerca de 10  a 15% ao mês como homem é diferente  nós vemos aí homens com 60 70 anos tendo  filhos  a gente tem uma diminuição da qualidade  dos espermatozóides a partir dos 47 anos  mas ele continua a sua produção ao longo  da vida as mulheres hoje em dia elas  enfim mais tarde em uma maternidade aqui  em são paulo foi feita uma pesquisa ea  média das pacientes que entram na  maternidade para ter o primeiro filho é  cerca de 34 pontos quatro anos isso era  antigamente as mulheres elas tinham  filhos na faixa dos 20 aos 30 e na  atualidade essas mulheres têm pensam em  ter filhos  a partir dos 33 34 anos a realidade da  mulher mudou hoje ela estuda mais ela  quer fazer uma pós graduação ela está  forte no mercado de trabalho  ela tem a chance de procurar alcançar  outros objetivos que estão os filhos  ficam em segundo plano  elas casam mais tarde elas pensam em  formar uma família mais tarde e com isso  a gravidez ela pode ficar prejudicada  nesse quisito eu costumo dizer que assim  nunca existe a hora ideal para você ter  seus filhos nunca a gente pensa que há  agora é a minha hora de ter filhos  não porque às vezes você está estudando  às vezes você está trabalhando  se você não tem um parceiro ideal a  mulher ela tem que ter em mente que com  35 anos nessa fertilidade  ela vai abaixar com isso ela tem que  planejar o seu futuro ou seja se ela tem  o desejo de engravidar disse ter filhos  na sua vida  esse planejamento pode ser feito até  antes dela ter um parceiro dela está  casada  hoje em dia o que fazemos muito ao  congelamento de óvulos e como ele é  feito o congelamento de óvulos é um  estímulo mariano que a gente faz também  indicações  esse estímulo ovariano vai recrutar  vários ovos ea gente retira esses ovos e  congela em laboratório  a idade do congelamento é a idade que  esses jogos vão ter quanto descongeladas  por exemplo se uma pessoa ela congela  obras com 34 anos e chega com 40 anos e  quer engravidar ela vai descongelar os  óvulos dela vai usar esses óvulos para a  fertilização com o sêmen do marido e do  namorado e esses ovos vão ter a idade do  congelamento ou seja ele não vai sofrer  as ações do tempo ele não vai ser um  homem envelhecido ele não vai ser um  óvulo que vai pode carregar algum  problema para esse bebê por exemplo  alguma cromossomopatias dia que a gente  vê que com a idade da mulher a idade do  órgão aumenta a chance de uso  de uma gravidez com algum tipo de  símbolo como síndrome de down por  exemplo que há mais como o congelamento  de óvulos  ele protege a mulher na sua fertilidade  e diminui a chance de algo alguma como a  sua fatia numa gravidez mais tardia é  lógico que é pacientes mais jovens  elas podem ter algum podem ter um filho  com síndrome de down podem com alguma  outra senhora  mas é comum nas mulheres mais velhas é  mais comum nas mulheres mais velhas  a incidência aumenta com a idade depois  dos 40 anos  ela fica muito mais evidente se você  curtiu esse vídeo se inscreva no nosso  canal deixe seu like comente abaixo e  ative os sininhos de notificação para  você receber mais vídeos 

A inseminação caseira é possível?

A inseminação caseira é uma técnica de reprodução assistida que pode ser realizada sem a intervenção de profissionais de saúde. O casal obtém o sêmen de um doador e injeta a amostra no corpo da mulher por meio de uma seringa. Embora essa técnica possa oferecer uma forma de engravidar sem ter relações sexuais, ela também pode acarretar riscos, como infecções e a possibilidade de transmissão de doenças.

A inseminação caseira é uma forma de tentar engravidar sem recorrer ao sexo ou ao auxílio médico. No Brasil, essa prática não tem amparo legal e é proibida a cobrança pelo material genético, de acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM). Doadores de sêmen podem solicitar apenas o reembolso de despesas como o deslocamento ou exames solicitados pelos casais antes da inseminação, como testes de HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). No entanto, essa prática pode ser perigosa, pois pode resultar em infecção e transmissão de doenças.

A inseminação caseira é um tema que tem sido discutido na Justiça, principalmente no que diz respeito ao registro de crianças nascidas por essa técnica. A legislação brasileira não trata especificamente da inseminação caseira, o que gera dúvidas sobre como os bebês devem ser registrados, e se devem ser incluídos os nomes dos pais biológicos ou dos pais que os criam. Isso tem sido um assunto de debate nos tribunais.

Perguntas frequentes:

A Inseminação Artificial é um procedimento dividido em cinco etapas que ocorrem em um período de 12 a 15 dias. Essas etapas incluem a estimulação ovariana no início do ciclo menstrual, bem como a preparação do espermatozoide e a inseminação propriamente dita.

A Associação Brasileira de Reprodução Assistida recomenda que o teste de gravidez seja realizado entre 12 e 15 dias após a inseminação dos espermatozoides, conforme mencionado anteriormente.

Não há um número máximo definido de inseminações que podem ser realizadas, mas na prática clínica geralmente são feitos até três ciclos de inseminação. Se o casal não conseguir engravidar após esses três ciclos, é recomendado tentar a Fertilização in Vitro.

Não é possível selecionar as características e o sexo do bebê na Inseminação Artificial. Além de ser tecnicamente impossível, essa prática também é proibida por lei, exceto em casos de Fertilização in Vitro que detectem embriões com possibilidade de desenvolver doenças ligadas ao cromossomo sexual.

A Inseminação Artificial, também conhecida como Inseminação Intrauterina, é uma técnica de reprodução assistida de baixa complexidade. A Fertilização in Vitro, por outro lado, é uma técnica de alta complexidade.

Na Inseminação Artificial, é realizado o acompanhamento do ciclo menstrual da mulher e do sêmen do parceiro ou do doador. No início do ciclo menstrual, são administrados medicamentos hormonais que estimulam a produção e maturação dos óvulos. Quando se aproxima a ovulação, os espermatozoides selecionados laboratorialmente são inseridos no útero da mulher para permitir a fertilização.

Já na Fertilização in Vitro, a fertilização é realizada em laboratório selecionando apenas um espermatozoide, que é injetado diretamente no óvulo. Quando o óvulo fertilizado artificialmente se desenvolve em um embrião, ele é colocado no útero para se fixar ao endométrio.


https://youtu.be/DJn4YvcUnco

 
 

Hoje, casais que possuem dificuldade de ter um bebê, já podem realizar o sonho de tornarem-se pais, sendo a inseminação artificial intra-uterina um dos recursos disponíveis e mais procurados na medicina reprodutiva.
Obviamente cada caso deve ser tratado de uma forma bem particular, identificando o melhor método para cada paciente. Por isso, quanto mais cedo a infertilidade for detectada, e quanto antes o casal procurar o especialista em reprodução humana, maiores serão as chances de ter um tratamento bem sucedido.

As complicações da inseminação artificial são raras, mas podem incluir síndrome da hiperestimulação ovariana (SHO), aumento do estradiol além do normal e maior risco de trombose devido ao desenvolvimento excessivo dos folículos, e também há o risco de gestações múltiplas em 16% dos casos devido aos medicamentos utilizados para estimular os ovários.

Conclusão

Em conclusão, a inseminação artificial é uma técnica de reprodução assistida de baixa complexidade que pode aumentar as chances de gravidez em diversas situações. É importante ter acompanhamento com profissionais especializados em reprodução humana para avaliar cada caso individualmente e definir o melhor método de tratamento. É fundamental lembrar que, embora a inseminação artificial apresente uma boa taxa de sucesso, não é garantido que ocorra a gravidez e podem ser necessárias outras opções de tratamento em alguns casos.

Autor: Dra. Juliana Amato

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

O que você achou?

Inseminação artificial Quer ter um ou mais filhos e ainda não sabe como fazer isso? A inseminação artificial pode ser a solução para os seus problemas! Neste artigo, vamos explorar tudo o que você precisa saber sobre essa técnica de reprodução assistida, desde como ela funciona até quais são os seus benefícios e possíveis riscos. Se você… Continue a ler »Inseminação artificial
5 1 5 1
/ 5 Resultado 5 Votos 1

Your page rank:

nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).

>
error: Alert: Content selection is disabled!!