Pular para o conteúdo

Criopreservação de óvulos e embriões

Você já ouviu falar em criopreservação? Essa técnica de congelamento de células pode garantir a preservação da fertilidade de casais por décadas. No contexto da medicina reprodutiva, a criopreservação é utilizada para congelar óvulos, espermatozoides e embriões para uso posterior em reprodução assistida. Mas as indicações vão além dos casos de tratamento de câncer ou cirurgias que possam comprometer a fertilidade. Descubra como a criopreservação pode ajudar casais que desejam preservar a sua fertilidade para o futuro, incluindo pacientes com disfunção erétil e profissionais expostos a elementos nocivos, nesse artigo que traz todas as informações necessárias sobre o assunto.

 

No vídeo, é abordado o tema da criopreservação de óvulos e a importância da conscientização desse procedimento. É destacado que, atualmente, as mulheres estão tendo filhos mais tarde devido às mudanças no mercado de trabalho, mas quanto mais jovem a mulher congelar seus óvulos, maior será a chance de fertilização e gravidez. É recomendado que a paciente converse com seu ginecologista ou especialista em reprodução assistida para iniciar o processo de congelamento de óvulos, que envolve exames hormonais e de sangue, estimulação da ovulação com medicações diárias injetáveis e, posteriormente, a colheita e avaliação dos óvulos em laboratório. É ressaltado que os óvulos podem ser congelados por vários anos sem perda de qualidade, sendo uma opção para mulheres que desejam postergar a maternidade.

Você já pensou em congelar seus óvulos? E você sabe qual a idade melhor para fazê-lo? Hoje em dia é muito comum o congelamento de óvulos e é muito importante a conscientização desse procedimento. Hoje em dia as mulheres, elas têm filhos mais tarde, por quê? Porque o mercado de trabalho mudou para essas mulheres, hoje em dia as mulheres querem se aperfeiçoar mais nos estudos, fazer um mestrado, um doutorado, pós graduações e a mulher fica firme no mercado e com isso ela casa-se mais tarde, ela tem a opção de ter filhos mais tarde, porque ela ainda tem muita coisa a resolver e a aprender. Então o ideal é quanto mais jovem você congelar seus óvulos melhor. Estou com 30 anos, qual a minha possibilidade de engravidar daqui cinco anos? Não tenho essa vontade, não tenho esse planejamento, Vamos congelar o óvulo, por quê? Os óvulos mais jovens, eles têm mais chance de fertilizar, tem mais chances de gravidez. Óvulos assim de pacientes de 35 anos, eles são óvulos que já estão numa idade mais avançada e que talvez quando fertilizados, esse pool de óvulos, por exemplo, 10, vamos supor 10 óvulos, esse 10 não fertilizem todos, fertilizem uns 6, fertilizem uns 7 e com isso tem uma perda dessa reserva ovariana, congelando-se mais tarde também. Hoje em dia a gente tem essa possibilidade de um planejamento, o congelamento de óvulos é uma situação que existe e que está muito acessível para todas as mulheres. Com isso o que muda na vida da mulher? Que ela não precisa pensar em maternidade, ela vai pensar em maternidade a hora que ela quiser. Qual é o caminho para o congelamento de óvulos? Primeiro converse com seu ginecologista, se ele é um ginecologista que trabalha nessa área de reprodução assistida, ele já vai te orientar ao congelamento de óvulos, se não for, procure um especialista na área e converse com ele sobre seu planejamento. O que eu preciso fazer para congelar os meus óvulos? Precisa fazer alguns exames básicos hormonais e de sangue e estimular a ovulação. Essa estimulação da ovulação é feita com medicações diárias injetáveis, que a mulher mesmo se aplica e ela vai acompanhando com o médico que vai fazer o procedimento a cada dois ou três dias para acompanhar o crescimento dos folículos dentro dos óvulos. Esses folículos ovarianos, eles têm cada um, um óvulo em seu interior. Quando eles chegam em um tamanho determinado pré-ovulatório, a paciente e o médico vão para um laboratório específico de reprodução e colhem esses óvulos através de um ultrassom um transvaginal, onde é acoplado uma fina agulha que vai aspirar esses óvulos. Depois de aspirados no próprio laboratório, os biólogos vão avaliar o grau de maturidade desse óvulo e se são óvulos bons e maduros e assim congela-los. Os óvulos, eles não têm um tempo de congelamento, eles podem ser congelados por vários anos, sem perdas do seu descongelamento, ou seja, se você tem 30 anos agora e quer engravidar com 37, pode congelar seus óvulos. Se você tem 30 anos congela agora e quer engravidar com 40, tudo bem! A gente vê que com o passar dos anos não perde-se a qualidade dos óvulos no congelamento e sim se não congela-los, porque eles vão sofrendo alterações da idade na mulher e com isso se essa mulher não congela agora, não tem essa opção, talvez lá na frente ela não tem uma quantidade adequada com uma qualidade tão boa de óvulos para engravidar. Se você gostou do nosso, inscreva-se no nosso canal, dê o seu like e ative o sininho de notificação!

            A criopreservação é uma técnica de congelamento de células que visa à preservação delas a longo prazo, período esse que pode se estender por décadas. No contexto da medicina reprodutiva, refere-se ao congelamento de óvulosespermatozoides e embriões para posterior uso por meio da reprodução assistida, o que protege a fertilidade de milhares de casais.
As indicações clássicas desse procedimento são para os pacientes que irão se submeter a radioterapia ou à quimioterapia para tratamento de câncer ou qualquer procedimento cirúrgico que possa comprometer a sua fertilidade. A criopreservação também está indicada no caso de condições que dificultam a gravidez – como a disfunção erétil – e para pacientes que irão se submeter à cirurgia de esterilidade (vasectomia ou laqueadura), bem como profissionais que se expoe a radiação e outros elementos nocivos, com o intuito de preservar a sua potencial fertilidade. 
           Para que a criopreservação do óvulo seja possível, é feito um estímulo medicamentoso na paciente; esse estímulo é realizado anteriormente à extração de seu óvulo – feita por punção transvaginal auxiliada por ultrassom. Algumas vezes é necessário mais de um ciclo de estimulação ovariana para que seja produzida uma quantidade mínima necessária que garanta uma coleta bem-sucedida. 
Para a obtenção de espermatozoides, as técnicas que podem ser realizadas são a punção ou a masturbação, dependendo de cada caso. Desse modo, essas células congeladas serão submetidas futuramente à fertilização in vitro, gerando um embrião que deverá ser congelado ou implantado no útero da mulher. É válido destacar que, quanto mais jovem a mulher, maiores as chances de sucesso da terapia. 
A idade do casal também influe na decisão de qual técnica é a melhor, buscando sempre as maiores chances de sucesso. Um profissional especializado é capaz de fornecer todas as orientações e informações necessárias ao casal que deseja preservar a sua fertilidade para o futuro. 

Leia tambem:

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

Dra. Juliana Amato

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).

>
error: Alert: Content selection is disabled!!