Pular para o conteúdo

Dicas Importantes para Prevenir a Candidíase no Verão

Hoje vamos abordar um tópico muito importante e que merece atenção especial durante o verão: a prevenção da candidíase. Com as temperaturas mais altas, o risco de desenvolver essa infecção fúngica aumenta, mas há várias maneiras de proteger-se.

Neste vídeo, a ginecologista Juliana Amato discute sobre a candidíase, uma infecção causada pelo fungo Candida albicans. Ela explica que a Candida faz parte do nosso organismo e vive em áreas úmidas como a vagina, boca, garganta e região intestinal. No entanto, quando há desequilíbrio na flora bacteriana e queda na imunidade, acontece a proliferação deste fungo causando a candidíase. Alguns fatores que podem desencadear essa infecção incluem alta ingestão de carboidratos e açúcares, diabetes não controlada, gravidez, uso desconfortável de antibióticos e má higiene vaginal. Para prevenir a candidíase, a Dra. Amato sugere ter uma dieta balanceada, usar roupas adequadas, evitar produtos irritantes para a região vaginal, controlar a diabetes e evitar o uso desnecessário de antibióticos.

Olá! No vídeo de hoje eu vou dar dicas importantíssimas para você evitar a candidíase nesse verão. O tempo já está esquentando. Semana passada a gente teve aí uma semana muito quente e com isso a candidíase ela pode aparecer. Então fica aqui comigo nesse vídeo que eu vou dar dicas e vou te explicar um pouquinho o que é a cândida e por que ela acontece. Meu nome é Juliana Amato, eu sou ginecologista. E por acaso você já teve um corrimento vaginal e que lhe custou muito e que sua vagina ficou extremamente irritada e que você não sabia o que fazer? Na hora você mandou uma mensagem para o consultório do seu ginecologista ou falou com uma amiga que te indicou uma receitinha milagrosa para acabar com essa coceira? Ou você foi na farmácia e comprou um creme vaginal nas pressas para passar essa sensação horrorosa. Essa é a candidíase, é a candidíase. Ela é causada por um fungo e esse fogo é chamado Candida albicans. Mas você sabia que a cândida ela não vive só na nossa vagina e que ela pode dar infecção em outros lugares do nosso corpo? Sim, a cândida. Ela faz parte do nosso corpo e ela vive em regiões úmidas do nosso organismo. Vamos pensar nas regiões úmidas que a gente tem. A gente tem a vagina, a gente tem a boca, a gente tem a garganta. Sabe quando a gente era criança, aí que a gente tinha sapinho? Pois é, era cândida, proliferando ali e dando aquela sensação de queimação na boca e aqueles pontinhos branquinhos mais além da vagina, da boca e da garganta. A cândida também pode viver na nossa região intestinal. Aí você me pergunta se a cândida é um fungo, um microrganismo que vive no nosso corpo e ele é responsável por manter o nosso corpo funcionando em equilíbrio. Por que que dá essa danada dessa candidíase? Como tudo na vida, tudo é equilíbrio. A cândida ela também tem que existir em equilíbrio no nosso organismo. Então, se a gente tem situações de baixa imunidade e a gente tem um desequilíbrio na nossa flora bacteriana fúngica de microrganismos, como tudo na vida, é o equilíbrio no funcionamento do nosso corpo, também é a Candida albicans. Ela faz parte da nossa flora microbiana. Como tudo na vida, é equilíbrio. A Candida albicans no nosso organismo, ela também vive em equilíbrio com os demais microorganismos que fazem parte do nosso corpo. Então por que acontece a candidíase E a candidíase acontece quando tem desequilíbrio nessa flora de microorganismos no nosso corpo. Quando a gente tem uma queda da imunidade, essa candida ela prolifera, ou seja, ela aumenta a sua população dentro do nosso corpo e dependendo da região onde ela estiver, ela pode ter o sapinho. Ela pode dar uma infecção fúngica, vaginal e ela pode dar a candidíase vaginal. Você conhece alguém que sofre com candidíase de recorrência? Ou seja, numa que tem candidíase trata, aí dá no outro mês também. Ela sofre dos mesmos sintomas ou fica dois meses sem volta? Pois é, compartilhe esse vídeo com essa pessoa, com essa amiga, com essa parente, porque aqui ela vai aprender como que funciona o organismo dela e o que que ela vai fazer pra evitar essa candidíase. Eu vou dar alguns exemplos de como a cândida ela pode entrar em desequilíbrio no nosso organismo. Uma delas é quando a gente tem uma alimentação muito rica em carboidratos, muito rica em doces, porque o fungo ele gosta de glicose e tudo o que é glicose no nosso corpo, ele é armazenado na forma de glicogênio no nosso fígado. Porém, quando ele está em excesso, essa cândida ela vai proliferar porque tem muita comida para ela, que é a glicose. E por que o carboidrato? E por que eu estou falando de carboidrato? Carboidrato não é massa e sim carboidrato é massa. Carboidrato é arroz também. Carboidrato é uma torta, um bolo. E porque o carboidrato? Você sabia que o carboidrato ele é degradado no nosso organismo quando a gente faz a digestão em açúcar? Então, quando a gente come muito carboidrato e muito açúcar, você vai estar dando comidinha para a cândida crescer e daí você vai estar dando a chance para você ter uma candidíase. Se a gente pensar que a cândida e esse fundinho gostam de açúcar. Então uma causa muito bem falada, que é paciente, que tem diabetes. Quando a paciente tem diabetes, ela tem um açúcar no sangue mais elevado. E se ela está em tratamento da diabetes, mas ela não está conseguindo controlar essa glicose no sangue, ela vai estar mais propensa a ter infecções pela cândida. É muito comum a gente ver mulheres que tem a diabetes que está descontrolada e que vira e mexe ela tem essa coceira com esse corrimento vaginal. Gravidez também é uma situação aonde a cândida ela pode proliferar mais, sabe porque? Quando a mulher ela está grávida, ela tem uma queda da imunidade. E por que a mulher grávida tem uma queda da imunidade? Porque seu organismo está modificando, porque tem um serzinho crescendo ali no útero, então ela tem que dividir ali o metabolismo dela, ela tem que dividir a energia que ela está ganhando através dos alimentos, através da atividade física, com aquele processo que está acontecendo durante a gravidez. Então a mulher grávida, ela tem uma diminuição da imunidade e ela pode ficar mais propensa a ter esse corrimento, mas esbranquiçado com rocha e que às vezes fica a gravidez inteira. E por acaso você lembra como que é o corrimento da candidíase? É aquele corrimento branquinho, aquele corrimento que parece um jornalzinho molhado ou o leite coalhado que fica grudado na calcinha? A vagina ela fica toda vermelha. Quando ela está muito atacada, a vagina fica até inchada. Então essa é a candidíase e coça como coça. E você sabia que o uso de antibiótico também pode? E você sabia que o uso de antibiótico ele diminuem a nossa imunidade? E a cândida? Ela pode proliferar? Por que o antibiótico faz isso? Quando a gente toma um antibiótico por uma infecção, ele mata vários microorganismos, não só aquele que o antibiótico ele vai combater, mas existem outros que morrem ou enfraquecem e com isso a nossa imunidade também cai. Por isso aqui é muito importante que você não tome antibiótico por conta própria. Sabe, às vezes, quando você liga pro médico, fala hum, acho que eu estou com uma infecção urinária, mas eu não tenho tempo de ir no consultório. Me passa alguma coisa para ver se passa essa ardência vaginal no xixi. E tomou antibiótico. Você pode estar ocasionando uma diminuição da sua imunidade e propiciando a cândida a se desenvolver. Então é importante que se você tem algum sintoma e acha que você está com algum tipo de infecção, não se auto medique, porque você pode melhorar um sintoma, mas você pode desencadear outros sintomas, como a candidíase, aquela coceira, aquele corrimento e a higiene íntima. Como que a higiene íntima. Ela pode causar candidíase. Se você pensar bem, você vai falar pra mim assim Ah, mas eu mantenho uma boa higiene vaginal, eu não vou ter infecção. O problema é quando essa higiene é exacerbada muitas vezes. Sabe aquelas duchas vaginais que muitas mulheres usam aquilo? Lava a cavidade vaginal, mas também tira muito dos microorganismos que estão ali e são responsáveis pela manutenção do pH, da flora vaginal e da saúde vaginal. Então não use duchas vaginais porque você vai estar tirando a proteção da sua vagina. Além disso, aqueles sabonetes íntimos que têm muito perfume, eles também podem ser irritar ativos para essa área, e se eles são equitativos para essa área, eles podem também causar um desequilíbrio no pH vaginal e com isso, a cândida proliferar é uma causa muito conhecida pelas mulheres que já se fala há muito tempo, por nossas mães, por nossas avós. Ah, não vá para a praia e fique com o biquíni úmido. Roupas úmidas podem dar infecção vaginal. Elas estão certas. Quando a gente fica muito com a roupa úmida, seja na piscina, seja na praia ou seja até na academia, quando a gente soa muito a cândida, ela gosta de ambientes úmidos e a nossa vagina é um ambiente úmido e você está com uma calça mais apertada, com uma calça, um biquíni molhado. A cândida ela pode proliferar e dar essa infecção. Então vamos conversar um pouquinho sobre as dicas para prevenir a candidíase. Se a gente já conversou tudo isso um pouquinho, qual é a primeira dica que a gente tem que dar? É ter um alimentação saudável, ter uma alimentação equilibrada, aonde não se coma tantos carboidratos e diminuir o consumo de glicose, que a comidinha que a candidata ama, o uso de roupas adequadas, roupas de algodão, calcinha de algodão que não é apertada, que não deixa a região vaginal úmida é uma dica essencial e que toda mulher ela deveria se lembrar na hora de comprar as suas roupas íntimas, evitar produtos irritantes na região vaginal. Sabe aquele perfuminho que agora está na moda para se passar na região vaginal para na hora da relação sexual estar cheirosinho? Esse perfuminho ele pode ser um irritante para a nossa região vaginal e mudar o pH da sua vagina, causando assim uma infecção. Além desses perfuminho, o uso de sabonete com muito perfume ele também pode ser rotativo e nunca mais nunca use sabonete normal para lavar a região íntima, o que é um sabonete normal e um sabonete em barra. O sabonete em barra ele tem o pH totalmente diferente do pH da nossa vagina. O ideal é que você use sabonete líquido de pH neutro ou um pH mais próximo ao pH vaginal e evite o sabonete que tem muito perfume na sua composição. E pra você que é diabetica, lembre se controle a diabetes, tente ao máximo manter os seus níveis de glicose abaixo do esperado pelo seu médico para evitar esse tipo de infecção. Além disso, manter. E para você que é diabética, mantenha o seu controle glicêmico o mais próximo do normal para você não ter picos de glicemia e não ter a propensão da cândida proliferar aí na sua vagina. Porque acredito que quando você está com a sua glicemia alterada, você deve tá tendo essa coceirinha vaginal e esse corrimento que está incomodando. Outra dica muito importante é o uso de absorvente ou de fralda geriátrica. Troque com frequente. Não deixe muito esse absorvente ou essa fralda úmida em contato com a região vaginal, porque a cândida ela gosta dessa umidade e pode ter a candidíase. E por fim, evite o uso de antibióticos desnecessariamente. Se você acha que você está com alguma infecção, procure um médico ver se realmente você está com essa infecção que você acha que é uma infecção urinária ou algum outro tipo de infecção de garganta de ouvido. O ideal é ter uma avaliação médica sempre antes de tomar um antibiótico. Gostou desse vídeo? Compartilhe com a amiga! Ative o sininho de notificação e inscreva se no nosso canal E eu te espero no nosso próximo vídeo.

LEIA TAMBÉM:  Dor e Sangramento Durante a Relação Sexual: O Que Você Precisa Saber

O Que é a Candidíase?

A candidíase é uma infecção causada pelo fungo Candida albicans, que pode afetar diversas áreas do corpo, como a vagina, a boca, a garganta e até a região intestinal. Embora a Candida albicans faça parte da nossa flora microbiana natural, o desequilíbrio dessa flora pode levar à proliferação excessiva do fungo e, consequentemente, à candidíase.

Causas do Desequilíbrio da Flora Microbiana

Vários fatores podem desencadear a proliferação da Candida albicans, incluindo:

     

      • Baixa imunidade: Situações que enfraquecem o sistema imunológico, como gravidez ou diabetes mal controlada, podem aumentar o risco de candidíase.

      • Dieta rica em carboidratos e açúcares: O fungo se alimenta de glicose, então uma dieta rica em açúcares pode promover seu crescimento.

      • Uso de antibióticos: O uso indiscriminado de antibióticos pode alterar a flora microbiana, favorecendo a candidíase.

    Dicas para Prevenir a Candidíase no Verão

       

        1. Mantenha uma Dieta Equilibrada: Reduza o consumo de carboidratos e açúcares para diminuir o alimento disponível para o fungo.

        1. Escolha Roupas Adequadas: Prefira roupas de algodão e evite roupas úmidas, como biquínis ou roupas de ginástica suadas, por longos períodos.

        1. Cuidado com Produtos Íntimos: Evite sabonetes íntimos com perfumes fortes e duchas vaginais, que podem alterar o pH vaginal e a flora natural.
      LEIA TAMBÉM:  A Intrigante Conexão entre Saúde Intestinal e Saúde Ginecológica: O Que Você Precisa Saber

        1. Controle da Diabetes: Para diabéticas, é essencial manter o controle glicêmico para prevenir a proliferação da Candida albicans.

        1. Higiene Íntima Correta: Use sabonetes líquidos com pH neutro ou próximo ao vaginal e evite sabonetes em barra para a região íntima.

        1. Atenção ao Uso de Antibióticos: Evite a automedicação e consulte sempre um médico antes de usar antibióticos.

      Conclusão

      A candidíase pode ser um incômodo, especialmente no verão, mas com as precauções certas, é possível preveni-la. Lembre-se de que a chave é manter o equilíbrio da flora microbiana e cuidar bem da sua saúde. Se gostou deste vídeo, compartilhe com amigos e familiares, inscreva-se no canal e ative as notificações para mais dicas de saúde e bem-estar!

      O que você achou?

      0 / 5 Resultado 0 Votos 0

      Your page rank:

      Dra. Juliana Amato

      Dra. Juliana Amato

      Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).

      >
      error: Alert: Content selection is disabled!!