Pular para o conteúdo

Queda da Libido em Mulheres: Causas e Soluções

A queda da libido é um desafio comum enfrentado por muitas mulheres em diferentes fases da vida. Esta condição pode ser influenciada por uma variedade de fatores, incluindo mudanças hormonais, aspectos psicológicos e até mesmo o estilo de vida.

Sumário

O vídeo apresenta a médica ginecologista Juliana Amato discutindo as várias causas e soluções para a queda da libido em mulheres. Ela enfatiza que a queda da libido não é restrita apenas às mulheres na menopausa, mas também pode ser experimentada durante a fase reprodutiva e pode estar relacionada a uma variedade de fatores físicos e psicológicos.

Algumas das soluções e dicas apresentadas no vídeo para aumentar a libido incluem: aumento da atividade física, controle do peso, evitando o consumo excessivo de álcool e drogas, melhorar a comunicação e a sinceridade no relacionamento, terapia em caso de dificuldades emocionais ou traumas, autoconhecimento e visita regular ao médico para check-ups e possíveis ajustes no tratamento hormonal ou contraceptivo.

Dr. Amato também lembra que, antes de mudar qualquer medicação por conta própria devido à queda da libido, é importante consultar o médico para discutir as opções disponíveis.

Olá! A gente sabe que a queda da libido é um sintoma muito frequente em muitas mulheres ao longo da vida. É comum que a gente tenha uma queda da libido em várias fases da nossa vida e ela está relacionada com muitos fatores, como fatores físicos, fatores psicológicos. Então, aqui nesse vídeo eu vou dar algumas dicas de como aumentar a sua libido. Eu sou a doutora Juliana Amato, seu ginecologista e vamos iniciar a nossa conversa. É um mito dizer que a queda da libido só acontece em mulheres na menopausa. Nas mulheres na menopausa, é comum que isso ocorra porque fisiologicamente, o que acontece no corpo da mulher nessa fase? Ela tem uma queda do hormônio estrogênio e essa queda do hormônio estrogênio, ela causa uma falta de libido. Então ela diminui o prazer sexual. A mulher, ela fica com o desejo sexual hipoativo, ela não tem tanta vontade de fazer sexo. Além disso, uma mulher na menopausa que não está em reposição de hormônios, ou seja, ou ela não tem indicação de repor hormônios ou ela não fez o diagnóstico ainda que está nessa fase, não passou no médico e não está usando essas medicações. Ela pode apresentar uma atrofia vaginal. E o que essa atrofia vaginal? É quando tem um ressecamento da mucosa vaginal e esse ressecamento vai provocar nela uma dor, um desconforto na hora que ela for ter relação sexual. Além disso, podem causar fissuras ou sangramento. Isso não é prazeroso quando ela vai pensar em ter relação com seu parceiro, mas a queda da libido ela não é exclusiva das mulheres na menopausa. Muitos fatores estão associados pra que isso ocorra. Mulheres na sua fase reprodutiva, elas também podem ter uma diminuição na libido e pode estar associada, por exemplo, um pós parto, a mulher que acabou de ter o bebê, ela tem alterações hormonais em seu corpo que fazem com que diminua a libido. Além disso, não é único fator essa questão hormonal, a mudança de vida. Ela vai mudar ali, a rotina da vida dela. Agora ela vai ter um bebê que vai precisar dela de três em três horas para mamar, que ela vai ter que ter uma atenção redobrada porque aquele nenenzinho depende exclusivamente dela. Então os cuidados mudam a rotina do casal e com isso a mulher. Ela pode ter essa queda de libido e é natural. Fora dessa fases, o que pode alterar também a libido? Fatores psicológicos. Se você está num relacionamento onde você não está feliz com seu parceiro, você não vai ter vontade de se relacionar sexualmente com ele ou com ela, ou as vezes você passou por um trauma de infância aonde você tem que trabalhar isso no psicológico, às vezes até fazer uma terapia para que você trabalhe esse trauma e consiga ter uma vida sexual ativa. Então são vários fatores. Outros fatores podem ser fatores relacionados a doenças, pessoas que tem diabetes, pessoas que tem uma resistência à insulina. Elas podem ter uma diminuição da libido, pessoas que estão acima do peso também pode ter essa diminuição da libido por vários fatores ou porque ela está com uma autoestima baixa, porque está acima do peso e não aceita estar com aquele corpo ou porque tem alterações hormonais associada com essa obesidade que a gente tem um aumento da aromatização de alguns hormônios e com isso tem uma diminuição da libido. Então queda de libido é muito comum em várias fases da vida da mulher. O ideal é começou a ter essa queda de libido, começou a não ter mais aquele desejo que você tinha, aquela vontade que você tinha de se relacionar sexualmente. Pare e procure um médico, converse. Uma boa conversa no consultório médico é capaz de fazer o diagnóstico de várias causas desse problema. Não deixe passar. O importante é que você seja fiel a você mesmo, que você seja sincera com você mesma e com os seus sentimentos. Então aqui vão algumas dicas para melhorar a sua libido em relação a fatores físicos. O que a gente pode fazer para melhorar a libido? Aumento de atividade física. Atividade física, ela dá um bem estar, tem liberação de hormônios que dão prazer, que dão uma sensação de bem estar, melhora a circulação sanguínea, melhor auto estima e uma dica que é faça atividade física, se movimente a atividade física, ela aumenta a circulação sanguínea, ela aumenta a liberação de endorfina, ela dá um bem estar. Ela tem a capacidade de melhorar a nossa autoestima e é com a nossa auto estima alta, tudo ou a maioria dos problemas a gente consegue resolver com mais calma e a libido aumenta. O controle de peso também é essencial. Se você está um pouquinho acima do peso, consulte o seu médico, avalie as possibilidades de fazer uma dieta. Veja bem o que você está cometendo de errado na sua alimentação. Veja essa sua alimentação, ela não está adequada. Dê preferência a uma alimentação balanceada, com bastante frutas, verduras, proteínas de boa qualidade, carboidratos podem ter numa alimentação, mas carboidratos de baixo índice glicêmico. E esse controle de peso vai melhorar a sua autoestima, melhorando autoestima melhora a sua vida sexual. Outra dica importante aqui é evitar drogas e álcool. Drogas e álcool, eles diminuem a libido, mas eles mexem com controle da pessoa. Então, muitas vezes a pessoa que bebe muito, ela fica com um torpor. Ela perde o sentido, perde a capacidade de pensar, de controlar os seus pensamentos, de manter a atenção em determinada tarefa. Assim como o consumo de drogas. É importante evitar o consumo dessa substância relacionado a fatores psicológicos. O que a gente pode fazer é conversar com o seu parceiro, ser honesta com ele, com você mesmo, conversar sobre as suas, preferir ser aberta no seu relacionamento. Isso abre um canal para o casal que é muito importante na intimidade e no prazer. Controle de ansiedade, controle de estresse também é super importante. Então faça exercícios de meditação, yoga ou técnicas de relaxamento que tirem você desse estresse, te deixem mais relaxada e com mais desejo de viver, com mais desejo de aproveitar a sua vida e os seus relacionamentos. Em alguns casos, a terapia também é indicada. Se você está com uma dificuldade. Mesmo fazendo tudo isso em se relacionar com o seu parceiro, em melhorar, em ter sua libido de volta a terapia, ela ajuda a você descobrir outros fatores que podem estar ocasionando essa diminuição da libido. Às vezes, é um trauma passado que você nem lembra que está no seu subconsciente. Às vezes, você está num relacionamento que não está legal, mas se você não enxergou isso ainda, então a terapia tem essa capacidade de ajudar a você achar o caminho pra diagnosticar essa sua falta de interesse sexual. E muito importante é o autoconhecimento. Você conhecendo o seu corpo, tem muitas mulheres que não gostam ou tem um receio de se tocar, por exemplo, nem olhar no espelho direito se olha, não sabe como que é a mama, toca na mama, mas tem medo de tocar e achar algum nódulo ou tem vergonha de tocar nas suas partes íntimas e sentir aonde tem o prazer e onde não tem. Às vezes só tem relações com a luz apagada de vergonha do seu próprio corpo. Então o autoconhecimento é importante para você entender o que te dá prazer e o que você não gosta. Em relação a fatores médicos, fatores patológicos, hormonais. O que te digo que eu posso deixar que consulte o seu médico regularmente? Se você está sentindo alguma mudança no seu corpo, procure seu médico e faça seus exames ginecológicos de rotina. Nessas consultas, a gente é capaz de conversar com o paciente, é capaz de descobrir algumas coisas que estão incomodando, está relacionado com o funcionamento do seu corpo ou não. Então as dosagens hormonais muitas vezes são solicitadas durante uma consulta ginecológica e a gente faz o diagnóstico de várias condições. Uma condição muito frequente é o ovário policístico, que também pode estar associado, dependendo do grau, a uma diminuição aí da libido e está relacionado também como ele é. Uma síndrome está relacionado com outros fatores, como obesidade, que já é um fator, pode diminuir a libido também. Diabetes, então é importante consultar o médico rotineiramente todo o ano. Em relação às mulheres no climatério, na menopausa, a dica que eu dou aqui é converse com o seu médico, veja se você tem indicação de fazer uma reposição hormonal e se tiver, faça. Ela é muito importante no processo de envelhecimento, ou seja, no processo de amadurecimento e a preservação da sua vida sexual. Alguns contraceptivos eles também podem diminuir a libido. Então converse com o ginecologista. Talvez você consiga mudar o seu método contraceptivo. Talvez um dia, talvez. Um anel vaginal é muito importante porque às vezes o anticoncepção anal ele diminui a libido para algumas pessoas e não diminui para outras mulheres. Está muito associada com o tipo de hormônio presente naquela pílula, com a dosagem. Então é interessante sempre conversar com o seu médico quando você tem a falta de libido. Se o anticoncepcional pode estar associado com isso. Tratar doenças crônicas é muito importante que ao tratar uma diabete, uma resistência à insulina, elas vão melhorar essa questão da libido quando você está tudo funcionando normalmente no seu corpo e algumas medicações, elas também são capazes de diminuir a libido, alguns antidepressivos, algumas medicações para pressão, porém muito importante é converse com o médico que prescreveu essas medicações, não tire, não pare a medicação por conta. É muito importante que você avalie com o seu médico a possibilidade de ver se é alguma dessas medicações que está causando o problema e se tem condições de mudar essa medicação por uma outra que tem um efeito colateral que não seja isso. Não adianta nada tirar uma medicação por conta, porque você pode melhorar uma coisa mais você pode piorar muitas outras na sua saúde. Gostou dessas dicas? Inscreva-se no canal. Dê o seu like e ative o sininho de notificação. Até a próxima!

LEIA TAMBÉM:  Candidíase, tudo o que você precisa saber sobre a doença

Fatores Físicos e Hormonais

      • Menopausa: Durante a menopausa, a queda nos níveis de estrogênio pode diminuir o desejo sexual. Além disso, a atrofia vaginal, caracterizada pelo ressecamento e desconforto durante o ato sexual, pode ocorrer.
      • Pós-Parto: Após o nascimento de um filho, as alterações hormonais, juntamente com a nova rotina de cuidados com o bebê, podem afetar a libido.
      • Condições Médicas: Doenças como diabetes, síndrome dos ovários policísticos e resistência à insulina podem influenciar negativamente o desejo sexual.

    Fatores Psicológicos

        • Relacionamentos: Problemas no relacionamento ou insatisfação com o parceiro podem levar à diminuição da libido.
        • Traumas Passados: Experiências traumáticas, especialmente na infância, podem afetar a vida sexual e requerem atenção psicológica e terapia.
        • Estresse e Ansiedade: O estresse e a ansiedade do dia a dia podem reduzir significativamente o interesse sexual.

      Melhorando a Libido

          • Atividade Física: O exercício regular não apenas melhora a autoestima e a circulação sanguínea, mas também aumenta a liberação de endorfinas, promovendo uma sensação de bem-estar.
          • Controle de Peso: Manter um peso saudável através de uma dieta balanceada pode melhorar a autoestima e, consequentemente, a vida sexual.
          • Evitar Álcool e Drogas: Essas substâncias podem diminuir a libido e afetar negativamente a capacidade de tomar decisões e manter o foco.
          • Comunicação com o Parceiro: Uma comunicação aberta e honesta com o parceiro é fundamental para um relacionamento íntimo satisfatório.
          • Terapia: Em alguns casos, a terapia pode ajudar a resolver problemas subjacentes que estão afetando o desejo sexual.
          • Autoconhecimento: Conhecer e entender o próprio corpo é crucial para identificar o que proporciona prazer e o que não agrada.
        LEIA TAMBÉM:  Dor nas Mamas (Mastalgia): Entendendo as Causas e Quando se Preocupar

        Consulta Médica e Tratamento

            • Consultas Regulares: É importante consultar um médico regularmente para avaliar quaisquer mudanças no corpo e na libido.
            • Reposição Hormonal: Para mulheres na menopausa, a reposição hormonal pode ser uma opção, mas deve ser discutida com um médico.
            • Revisão de Medicamentos: Certos medicamentos, incluindo antidepressivos e remédios para pressão arterial, podem afetar a libido. Uma revisão desses medicamentos com um médico pode ser necessária.

          Conclusão

          A queda da libido em mulheres é um fenômeno multifatorial que pode ser abordado de várias maneiras. Entender as causas e buscar tratamento adequado são passos essenciais para melhorar a qualidade de vida e o bem-estar sexual.

          O que você achou?

          0 / 5 Resultado 0 Votos 0

          Your page rank:

          Dra. Juliana Amato

          Dra. Juliana Amato

          Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).

          >
          error: Alert: Content selection is disabled!!