Pular para o conteúdo
utero-retrovertido

Útero retrovertido

O útero retrovertido é uma condição em que o útero não está na posição normal, virado para o abdômen, mas sim para a coluna vertebral. Embora essa condição possa causar desconforto ou dor em algumas mulheres, é importante lembrar que o útero retrovertido geralmente não afeta a fertilidade ou a saúde geral das mulheres. No entanto, é importante compreender os sintomas, causas e tratamentos disponíveis para essa condição, para que as mulheres possam tomar decisões informadas sobre sua saúde. Neste artigo, discutiremos sobre as causas, sintomas e tratamentos do útero retrovertido, para que você possa entender melhor essa condição e como lidar com ela.

Sumário

Os úteros retrovertidos ou invertidos são úteros que estão voltados para trás e se apoiam levemente no intestino.
Eles são normais, sendo apenas uma questão de posição. Somente em alguns casos (muito raros) é necessário uma cirurgia para fazer o reposicionamento.
O útero não é um órgão estático, então é normal que ele se mova em algumas circunstâncias, por exemplo, na gestação, onde ele sal do seu lugar e ocupa toda a pelve.

Utero retrovertido

O que é Útero retrovertido

O útero retrovertido é uma condição que ocorre quando o útero não está na posição normal, virado para o abdômen, mas sim para a coluna vertebral. Isso pode causar desconforto, mas geralmente não afeta as funções do útero feminino.

Existem dois tipos de útero retrovertido: o móvel e o fixo. O útero móvel é capaz de mudar de posição, normalmente devido a fatores como o trabalho de parto. Já o útero fixo permanece na posição revertida indefinidamente.

Embora a condição geralmente não cause problemas graves de saúde, algumas mulheres podem sentir desconforto durante as relações sexuais, menstruação ou atividade física. Alguns sintomas incluem cólicas, dor lombar, dificuldade para engravidar e dor durante a relação sexual.

Felizmente, existem tratamentos disponíveis para aliviar os sintomas do útero retrovertido. O tratamento pode incluir exercícios de Kegel para fortalecer os músculos pélvicos, fisioterapia pélvica e massagem terapêutica pélvica. Alguns casos podem requerer cirurgia, como a histerectomia, que é a remoção do útero.

LEIA TAMBÉM:  Quanto tempo esperar entre os ciclos de fertilização In vitro?

É importante que as mulheres que sentem desconforto ou sintomas relacionados ao útero retrovertido consultem um médico ginecologista para avaliar e tratar a condição. Com o tratamento adequado, é possível aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida das mulheres afetadas.

Causas do útero retrovertido

O útero retrovertido é uma condição em que o útero não está na posição normal, virado para o abdômen, mas sim para a coluna vertebral. Estima-se que entre 15% e 25% das mulheres apresentem essa condição.

Há inúmeras causas para a ocorrência do útero retrovertido. Algumas mulheres podem nascer com essa condição, mas só descobrir durante exames ginecológicos de rotina. No entanto, também é possível que a condição seja adquirida ao longo da vida. As principais causas do útero retrovertido incluem:

  • Fatores genéticos: Algumas mulheres podem ter uma predisposição genética para o útero retrovertido.
  • Mudança de posição durante o parto: Durante o trabalho de parto, o útero pode mudar de lugar devido à pressão do bebê.
  • Cirurgia pélvica: O útero pode ser afetado após cirurgias na região pélvica, como histerectomia ou cirurgia de miomas.
  • Malformação do útero na adolescência: Algumas mulheres podem ter malformações congênitas do útero, que podem levar ao útero retrovertido.
  • Pouca rigidez nos ligamentos: Os ligamentos que fixam o útero aos órgãos adjacentes podem ser fracos, o que pode levar ao útero retrovertido.
  • Miomas e infecções pélvicas: Miomas (tumores benignos no útero) e infecções pélvicas podem afetar a posição do útero e causar o útero retrovertido.

É importante que as mulheres que sentem desconforto ou sintomas relacionados ao útero retrovertido consultem um médico ginecologista para avaliar e tratar a condição. Com o tratamento adequado, é possível aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida das mulheres afetadas.

LEIA TAMBÉM:  Quais os possíveis efeitos colaterais de um tratamento de fertilidade?

Sintomas do útero retrovertido

O útero retrovertido é uma condição em que o útero não está na posição normal, virado para o abdômen, mas sim para a coluna vertebral. Embora muitas mulheres com útero retrovertido não apresentem sintomas, algumas podem experimentar desconforto ou dor. Os sintomas do útero retrovertido incluem:

  • Infecção urinária: As mulheres com útero retrovertido podem ter maior risco de infecção urinária devido à pressão no trato urinário.
  • Dor e desconforto na pelvis: Algumas mulheres podem sentir dor ou desconforto na região pélvica devido à posição anormal do útero.
  • Dor na evacuação: O útero retrovertido pode pressionar os intestinos e causar dor durante a evacuação.
  • Cólicas menstruais intensas: As mulheres com útero retrovertido podem sentir cólicas menstruais mais intensas devido à posição anormal do útero.
  • Desconforto após menstruar: Algumas mulheres podem sentir desconforto ou dor após a menstruação devido à posição anormal do útero.
  • Dor nas costas: O útero retrovertido pode pressionar as costas e causar dor na região lombar.

Embora esses sintomas possam ser desconfortáveis, é importante lembrar que o útero retrovertido geralmente não afeta a fertilidade ou a saúde geral das mulheres. No entanto, se você estiver sentindo qualquer desconforto ou sintomas relacionados ao útero retrovertido, é importante consultar um médico ginecologista para avaliar e tratar a condição.

Tratamento do útero retrovertido:

O útero retrovertido é uma condição em que o útero não está na posição normal, virado para o abdômen, mas sim para a coluna vertebral. Embora algumas mulheres possam sentir desconforto ou dor devido a essa condição, é importante lembrar que o útero retrovertido geralmente não afeta a fertilidade ou a saúde geral das mulheres.

LEIA TAMBÉM:  Tenho que estar menstruando antes de usar Clomid?

O tratamento do útero retrovertido dependerá da gravidade do caso e das preferências do paciente. Algumas opções de tratamento incluem:

Uso de remédios à base de hormônios para regular o ciclo menstrual.

Tratamento das causas subjacentes, como infecções pélvicas ou miomas.

Cirurgia para recolocar o útero na posição normal (em casos mais graves).

Colocação de um pessário no útero para mantê-lo na posição correta.

Exercícios para fortalecer os ligamentos que suportam o útero.

O melhor tratamento será indicado pelo ginecologista de acordo com a gravidade ou não do caso. Vale ressaltar que possuir o útero retrovertido não impede a mulher de ter uma vida saudável e não impede a gravidez.

Conclusão

O útero retrovertido é, portanto, uma variação anatômica na qual o útero aponta para trás em vez de para a frente. Isso é causado por ligamentos que fixam o útero à pelve e impedem que ele se mova para uma posição mais comum. Além disso, essa condição pode ser causada por uma doença inflamatória ou por uma lesão na coluna vertebral ou na coluna lombar. Aproximadamente de 15 a 25% das mulheres podem ter um útero retrovertido.
Isso pode dificultar a gravidez e o parto normal, já que a posição do útero pode impedir a mulher de se preparar corretamente para o parto. Durante o parto, o útero pode colidir com outros órgãos na frente do abdômen, impedindo a saída do bebê. Algumas mulheres podem precisar de uma cesariana para dar à luz devido a este problema.

O que você achou?

/ 5 Resultado Votos

Your page rank:

nv-author-image

Dra. Juliana Amato

Líder da equipe de Reprodução Humana do Fertilidade.org Médica Colaboradora de Infertilidade e Reprodução Humana pela USP (Universidade de São Paulo). Pós-graduado Lato Sensu em “Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida” pela Faculdade Nossa Cidade e Projeto Alfa. Master em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida pela Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Titulo de especialista pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e APM (Associação Paulista de Medicina).

>
error: Alert: Content selection is disabled!!