Clínica de Fertilidade e Reprodução Humana. Tel: (11) 5053-2222 Av. Brasil 2283. São Paulo. e-mail

6 DSTs que podem afetar a fertilidade

Doenças Sexualmente Transmissíveis

1. Clamídia

A clamídia é uma infecção bacteriana extremamente comum; há uma estimativa de três milhões de casos todos os anos nos Estados Unidos. Ela afeta desproporcionalmente jovens humanos com vaginas , como aquelas entre 15 e 24 anos, representando 68% de todos os casos relatados em 2013.

A clamídia pode resultar em doença inflamatória pélvica (DIP), que é quando os órgãos reprodutivos ficam inflamados porque são incomodados por bactérias indesejadas. Se você tem clamídia e órgãos reprodutivos femininos, você tem de 10 a 15% de chance de desenvolvimento de DIP. A DIP pode causar cicatrizes em seus órgãos pélvicos, o que pode causar uma barreira contra os espermatozoides, para que eles não consigam alcançar o seu óvulo. A DIP também pode causar gravidez tubária ou ectópica, uma situação extremamente perigosa na qual o óvulo e o espermatozoide se implantam na trompa de Falópio em vez do útero. Este é um grande problema, porque esses tubos não têm espaço suficiente para abrigar um feto em crescimento, para não mencionar toda a nutrição necessária para alimentá-lo; gravidez ectópica deve ser interrompida através da medicamentos ou cirurgia.

Além disso, a clamídia pode infectar as trompas de falópio, o que também pode resultar em infertilidade. Uma nova pesquisa também descobriu que se a pessoa com órgãos reprodutivos masculinos tiver clamídia, o casal tem cerca de um terço menos probabilidade de engravidar.

A clamídia, se não for tratada, também pode ser perigosa para os recém-nascidos. As mães podem passar as bactérias para os seus fetos, resultando em conjuntivite de inclusão, que você pode conhecer como olho cor-de-rosa. Cerca de 50% dos bebês nascidos de mães com clamídia não tratada adquirem essa doença ocular, o que faz com que seus pequenos olhos inchem e fiquem com pus. É importante ser curado; embora a clamídia provavelmente desapareça sozinha dentro de um ano, pode causar cicatrizes em seus pequeninos olhos.

Aqui está o problema: tudo isso pode acontecer sem você saber que tem clamídia, já que a maioria das pessoas não apresenta sintomas de infecção por clamídia. É importante fazer o exame rotineiramente para que você possa descobrir cedo, antes que cause estragos em seu bebê. Felizmente, a clamídia é curada com um ciclo de antibióticos, por isso, se você tiver um exame positivo para isso, o seu médico irá trata-la corretamente.

2. Gonorreia

Como a clamídia, a gonorreia é uma infecção bacteriana. Pode resultar em DIP, que sabemos agora não ser bom para o funcionamento interno do sistema reprodutivo feminino. Ela também pode mexer com a fertilidade em sistemas reprodutivos masculinos, especificamente, resultando em epididimite, que é quando o epidídimo (um tubo pelo qual o espermatozoide viaja antes de, você sabe, disparar em todos os lugares) fica inflamado. Se a epididimite não for tratada, pode levar a infertilidade.

Também como a clamídia, a bactéria que causa a gonorreia pode causar olho cor-de-rosa em recém-nascidos; quando isso resulta de gonorreia, é chamado de conjuntivite gonocócica. Se não for tratada, essa forma de conjuntivite pode causar cegueira - na verdade, costumava ser a principal culpada pela cegueira nos Estados Unidos.

Finalmente, como a clamídia, você também pode ser assintomático para a gonorreia. Há 820.000 casos anuais de gonorreia a cada ano nos Estados Unidos, então esta é outra que deve ser observada no exame regular de DSTs. Felizmente, como acontece com a clamídia, a gonorreia pode ser tratada com antibióticos. Infelizmente, algumas cepas de gonorreia estão se tornando resistentes aos tratamentos existentes, tornando-a menos facilmente tratável.

3. Papilomavírus Humano

Papilomavírus Humano, ou HPV para ser breve, é extremamente comum. Aproximadamente 79 milhões de pessoas nos Estados Unidos tem agora, e cerca de 14 milhões de pessoas são infectadas a cada ano. Essa DST é tão comum que, se você é sexualmente ativo, é basicamente inevitável que você tenha pelo menos uma estirpe dela em algum momento de sua vida.

Na verdade, existem mais de 100 cepas diferentes de HPV, e apenas cerca de 40 são sexualmente transmissíveis (as outras vivem em outro lugar da pele e causam verrugas). Destas 40, apenas algumas causam verrugas genitais, e apenas algumas causam câncer. O HPV atualmente não tem cura médica, mas, felizmente, na maioria dos casos, seu corpo limpa a própria infecção por HPV. Isso acontece muito rapidamente — a vida média de uma infecção pelo HPV é entre quatro e 20 meses, e a maioria dos corpos se livra dela dentro de dois anos.

Apenas ser positivo para o HPV não afeta suas habilidades para engravidar. Mas se você tem uma cepa cancerosa, você pode acabar com as células pré-cancerosas no colo do útero, e isso pode impactar a capacidade de fazer bebês no futuro. Especificamente, as técnicas médicas que removem essas células pré-cancerígenas podem mexer com o muco cervical, que ajuda os espermatozoides a alcançarem o óvulo. Se o procedimento remover uma quantidade significativa de tecido cervical, o colo do útero pode ficar enfraquecido. Isso aumenta o risco de aborto espontâneo, já que o colo do útero pode se abrir antes que o feto esteja pronto para sair.

O seu ginecologista verifica se você tem HPV toda vez que ela lhe faz um papanicolau, por isso é fácil saber o seu estado. Só porque você está infectada com uma cepa relacionada ao câncer, isso não significa que você terá células pré-cancerígenas e que terá que se submeter a qualquer tratamento que resulte em mais dificuldades para engravidar.

4. Sífilis

Um problema enorme antigamente, a sífilis é agora tratável com penicilina se pega em seus estágios iniciais. No entanto, está fazendo um tipo de retorno - em 2010, houve quase 46.000 casos de sífilis relatado nos Estados Unidos. Novos casos são principalmente atribuíveis a homens que fazem sexo com homens, mas a doença também está tendo um retorno problemático em humanos com vaginas.

Este ressurgimento é super importante para a fertilidade. Se engravidar enquanto estiver com sífilis não tratada, você tem 50% de aborto espontâneo ou natimorto. Se o seu bebê for infectado durante o parto, há 10% de chance de morte, muitas vezes apenas alguns dias depois de nascer. E se você contrair sífilis em algum momento nos quatro anos antes de engravidar, as chances de seu feto ser infectado é de 80%.

A sífilis também pode causar epididimite em pessoas com órgãos reprodutivos masculinos, que já sabemos que podem causar infertilidade. A sífilis também pode mexer com os testículos, o que pode afetar negativamente a fertilidade. Finalmente, se você deixar sua sífilis ficar sem tratamento por tempo suficiente, você pode desenvolver tabes dorsalis, que é quando a doença começa a degenerar seus nervos. Uma das consequências desta sífilis tardia é a disfunção erétil.

5. Herpes Genital

Herpes genital é causada pelo vírus de herpes simples (HSV). Humanos com vaginas são muito mais prováveis de obter esta infecção, que infelizmente é incurável (mesmo agora). Estima-se que um em cada quatro humanos com sistemas reprodutivos femininos têm herpes genital, comparado a quase um em oito com sistemas reprodutivos masculinos.

O herpes genital não atrapalha sua capacidade de engravidar, mas pode ser perigoso para o feto. Se você está grávida e tem um surto de herpes durante o terceiro trimestre, você pode passar o vírus ativado, que pode ser mortal para o seu recém-nascido. Felizmente, você pode impedir seu bebê de obter herpes através de medicação e por parto através de uma cesariana.

Estudos mostram a possíbilidade de influência em infertilidade, mas ainda é muito cedo para dizer.

6. HIV

Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) interfere em seu sistema imunológico, enfraquecendo-o para que ele não possa combater doenças. AIDS é a condição criada pelo HIV em que seu sistema imunológico está danificado e não pode lutar contra outras infecções, então você fica doente muito facilmente.

Como herpes, o HIV não impede sua capacidade de engravidar. No entanto, você pode transmitir HIV para um feto, dando-lhe uma doença que atualmente é vitalícia e incurável. Felizmente, se você souber o seu estado de HIV quando engravidar, você pode trabalhar com seu médico para obter medicação que irá garantir que seu bebê nasça HIV negativo. Você também pode fazer uma cesariana em vez de um parto vaginal para proteger ainda mais seu bebê. Seu novo ser humano será colocado sob medicação para o HIV nas primeiras seis semanas de sua vida para garantir que qualquer HIV que tenha chegado a esse minúsculo novo corpo seja erradicado. Finalmente, será solicitado que você não amamente, já que os bebês podem pegar o HIV através do leite materno.

Conclusão

Não compartilhamos essa informação para te assustar, mas a realidade é que se você pegar uma dessas DSTs e não a tratar (aquelas que são tratáveis) ou controlar ou mesmo tomar medidas preventivas, pode ser mais difícil para você ter um bebê saudável no futuro. É por isso que é super importante proteger-se (ou seja, usar preservativos com seus parceiros sexuais, a menos que você tenha certeza de que eles não têm uma DST) e fazer o exame regularmente - muitas dessas doenças não apresentam sintomas por um tempo, se alguma vez apresentam, você pode nem saber que você as tem, a menos que você as veja no resultado do exame.

Lembre-se de que nenhum sexo é 100% seguro; Estamos sempre assumindo um pouco de risco quando compartilhamos nosso corpo com outra pessoa. Mas é tão importante lembrar todas as coisas boas sobre sexo (seja o que for para você) e lembrar que as DSTs são um fato da vida. Faça o seu melhor para se proteger e para proteger a sua fertilidade, mas também não deixe o medo te paralisar.

O que você achou deste conteúdo?: 
0
Sem avaliações

Dra. Juliana Amato: Especialista em Reprodução Humana

Dra. Juliana Amato
Ginecologista, Obstetra. Chefe da Reprodução Humana do Instituto Amato
Tratamento de Infertilidade em Laboratório de Reprodução Humana(11) 5053-2222
Tudo sobre tratamento da infertilidade. Ajuda para Engravidar.
www.fertilidade.org
Clínica de Reprodução Humana: Ajuda para engravidarAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin